risotto com cogumelos e robalinhos ao sal



Tenho andado arredado deste espaço, do ponto de vista de autor, mas tenho-me deliciado com as experiências que têm sido aqui relatadas, qual cardápio de luxo!

Mas a pedido da minha querida co-autora me, deixo aqui uma receita de risotto, que gosto tanto e tenho sempre em abundância e diversidade!

Fazer risotto é muito mais do que fazer comida. Nem que não seja pelo tempo e dedicação que temos de lhe dedicar!

A base do risotto é cebola e alho finamente picado (pode ser acrescentada uma qualquer erva aromática) em azeite e manteiga. Com esta mistura faz-se o soffritto que é, nada mais nem menos, do que cozinhar estes elementos em lume mínimo durante pelo menos 15 minutos sem lhes dar cor.

Após este tempo, acrescentar o risitto e subir o lume para médio durante não mais de dois minutos e acrescentar depois meio copo de qualquer bebida alcoólica branca.

Após breves momentos que farão evaporar a maior parte do líquido, descer a temperatura do lume para médio/baixo, para cozer o grão lentamente, e acrescentar concha a concha, um caldo de carne, até que cada uma delas se “evapore”.

O tempo que demorará a fazer este acompanhamento poderá ir até meia hora, que será o tempo de confecção geral.

Previamente, para este conjunto gastronómico proposto, e por uma questão de timing, já se fritaram levemente um conjunto de cogumelos de Sintra, em azeite, allho e sal, ambos em pequenas quantidades, e em recipiente que pudesse ir ao forno, envolvido numa mistura de salsa e manjericão, directamente colhidos da janela! :P

Simultaneamente, apesar de não ter sido feito hoje por falta de sal :P, preparavam-se os robalinhos de mar(!), temperados na barriga com a mesma mistura de ervas e limão, cobertos (excepto a cabeça e o rabo) com uma camada (inferior e superior) abundante (um centímetro) de sal, misturado previamente com um ovo (inteiro ou não), um pouco de água (para fazer argamassa) e raspa de limão e laranja.

Assim que o risotto estiver no ponto (é só provar…), acrescentar os cogumelos que estiveram no forno a “reduzir”, um pouco de manteiga e queijo da ilha ralado e tapar imediatamente, a fim de tornar o conjunto deliciosamente cremoso.

Aconselho acompanhar com um branco seco, português, de preferência de terras quentes do sul.

Um conjunto menos complicado do que parece e sem dúvida a experimentar!

by lança

7 comentários:

me. disse...

Nem de propósito, fiz risotto de cogumelos no sábado a pedido, parecido com o teu, mas bebeu-se um Dão tinto, Quinta do Corujão-Grande escolha 2004, muito bom também, um dia destes temos de acrescentar a esta cozinha os vinhos! ;)

A Sobreira disse...

Só há pouco tempo descobri o vosso blog com receitas e dicas espantosas. Já experimentei várias e deslumbrei.
Ando à procura de receita de um bom caril de frango. Alguma dica?

Lança disse...

olá seja muito bem vinda!

o segredo de um bom caril, são os ingredientes que se usam para enriquecer o mesmo, pois o caril que normalmente conseguimos comprar é bastante pobre, com especiarias a gosto (há mil receitas de caril), e cozinhar a carne, de entremeio, com uma fritura na base de caril e apurar depois com o leite de coco. espero ter conseguido explicar-me :)

Ah! Gosto de juntar tâmaras no início!

me. disse...

Lança,
Isto é uma das tuas comidinhas, eu caril não faço, porque não aprecio!

Um pedido de um cliente, não se pode recusar! ;D

Lança disse...

Olha… vou fazer hoje. Apetece-me assim um mimo! :D

Vou usar o resto do Capão que se fez no Natal! Validade? A ASAE não vai lá a casa! (quer dizer… hum… pois… :D)

E depois, Faisões, Perdizes e afins querem-se quase podres! :P

Lança disse...

também já tive mais especiarias lá em casa. foi lá a “brigada validade” e nem queiras saber… :D

como se as especiarias tivessem validade… dahhh!

me. disse...

:D...

Total cleaning!

Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin