Bom Natal

Desejo a todos os que aqui passam um Feliz e doce Natal cheio de mimos!
by me. 55085

chocolat

Chegou cá a casa assim de repente...e com cada coisa!
Apesar de se inserir a meu ver na categoria "pro" também promete coisas deliciosas de chocolate. Ah, não pode faltar o termómetro de cozinha, só assim ficará perfeito.
by me. 53360

scones com passas

Ao pequeno-almoço ou lanche são bem vindos estes scones quer esteja quentes acabados de fazer ou se torrem, com manteiga a derreter quem resiste!

Uma receita muito fácil, já que em vez de ser uma massa que se amasse à mão sobre a mesa enfarinhada e de seguida se corte com moldes esta não necessita de esse processo mais moroso já que se coloca no forno depois de pronta de bem misturada, simples!

Para 6 scones e porque foi para não fazer muitos usei:
. 180gr de farinha com fermento . 25gr de manteiga amolecida . 25gr de açúcar em pó mais . 40gr de passas sem caroços . 1 ovo pequeno inteiro batido . raspa de laranja . 75ml a 100ml de leite meio gordo

Utilizei o liquidificador, por isso tarefa ainda mais rápida.
Deitei a farinha onde acrescentei a manteiga cortada em pequenos pedaços e toca a misturar tudo.
Juntar o açúcar e a raspa de laranja e misturar novamente.
Acrescentar o ovo batido (reservar uma colher para pincelar os scones antes de os levar ao forno, facultativo) e misturar aos poucos o leite com a máquina a envolver tudo até obter uma massa macia.
Por último envolver as passas sem deixar que se triturem demasiado.

Num tabuleiro forrado com papel vegetal pré-untado coloquei pequenos montes de massa com cerca de 4 a 5cm de diâmetro e com 3cm de altura sensivelmente que fui fazendo colocando a massa em pequenas camadas com ajuda de uma colher.

Pincelam-se com o ovo que se reservou e ainda um pouco de açúcar em pó ou se preferirem podem apenas colocar apenas farinha polvilhada.

O forno deve estar pré-aquecido a 200º onde os scones vão a cozer cerca de 10 a 12 minutos, dependendo um pouco da altura da massa.

Depois é só servir, com manteiga, compotas ou doces acompanhar um chá, perfeito para dias menos quentes ;)

by me. 52325

o tempo nesta cozinha também voa!

E já fez ontem, dia 4 de Dezembro 3 anos que comecei a publicar aqui as minhas comidinhas, foi a minha entrada ou pontapé de saída como lhe chamei na altura. Um convite que chegou pelo Lança e que afinal me lançou de vez neste também já meu pequeno livro de receitas virtual...coisas boas que me acontecem e que deixo que me vão acontecendo ;)

continuando...
by me. 52235

Gelado de amora

Gostas de amoras?...vou dizer ao teu pai que já namoras!
Também lhe posso dizer que espreitas um doce de amora.

Esta foi uma sobremesa em jeito de fast food. A partir de uma embalagem de amoras já congeladas mais uns pózinhos de pirlipipim, denominados por ingredientes e em menos de um instante temos uma sobremesa bem saborosa e diferente das embalagens de compra.

Para este pequeno deleite de amoras;
. 1 embalagem de amoras congeladas 450gr . 2 iogurtes gregos açúcarados 250gr . quejo fresco batido 0% magro, 125gr o equivalente a uma embalagem de iogurte (magro ou não eu usei o que costumo comer) . 2 colheres de sopa de açúcar amarelo . 4 colheres de sopa de leite condensado magro

E agora o melhor e mais fácil de tudo. Deitar os ingredientes num liquidificador e triturar até obter uma pasta gelada mas com textura cremosa.
Bati primeiro as amoras com o iogurte e o queijo fresco e depois introduzi o açúcar e o leite condensado.
Se acharem que está um pouco ácido podem sempre acertar a dose de doce acrescentar, ao gosto de cada um ou ainda acrescentar outras coisas que possam enriquecer o gosto sem deixar que fique demasiado líquido.

Deitar num recipiente e colocar no congelador até à hora de servir.

Eu coloquei uma pequena bolacha em cada dose, mas podia acrescentar nata batida e amoras frescas com uma folha de hortelã por exemplo fica sempre bem e sabe melhor ainda ;)

by me. 50373

Lumaconi recheado com queijo ricotta, courgette e espinafres temperado com molho de tomate

Decidi tentar recriar uma receita que me chegou via televisão. As moças americanas deste programa ensinam a cozinhar low fat food para reduzir medidas, um conceito útil via cook yourself thin!

Elas utilizam nesta receita uma massa gigante conchas, que eu não encontrei no mercado por isso optei pelo mais semelhante cujo nome ninguém se lembraria, massa lumaconi, neste caso por serem para rechear ás colheradas de tamanho gigante.

Passemos à ideia adaptada do original em que usei:
Massa Al dente:
. 300gr de massa lumaconi, cozida al dente em água temperada.

Molho de tomate caseiro
para base e cobertura:

. 5 tomates maduros pelados e cortados em pedaços . 1 cebola grande picada . 2 dentes de alho . 1 folha de louro . 1 colher de café de oregãos secos . sal e pimenta moída q.b.

Numa frigideira untada com azeite deitar a cebola picada, os dentes de alhos picadinhos, a folha de louro e deixar suar um pouco, acrescentar o tomate já cortado temperar com sal e as folhas de oregãos deixar ao lume até estar tudo bem cozido e ter reduzido a quantidade de água, cerca de 15-20 minutos em lume brando.
Como não pretendo ter muita textura neste molho, triturei com a varinha mágica, sem grande cuidado mas de modo anular qualquer pedaço maior de qualquer um dos ingredientes, criando um molho homogéneo. Rectificar temperos no fim se o quiserem mais rico adicionar uma colher de manteiga.

Recheio de ricotta, espinafres e courgette:
. 2 embalagens de queijo ricotta (se usarem requeijão também serve) . 2 courgettes cortadas em meias luas . 1 embalagem de espinafres baby . 1 alho francês médio só parte branca. 3 +3 colheres de sopa de mozarella light ralado . 1-2 colheres de sopa de queijo parmesão ralado . azeite 4 colheres de sopa . sal, noz-moscada e pimenta q.b.

Depois de lavar os legumes cortar as courgettes o meio em comprimento e depois em meias luas finas sem serem demasiado finas.
Colocar uma frigideira que não pegue ao lume com um pouco do azeite a olear apenas e salteiam-se as meias luas de modo amolecerem ligeiramente e ganharem um pouco de tom dourado, e temperam-se com um pouco de sal, reserva-se.
Utilizando a mesma frigideira executa-se o mesmo processo para o alho francês sem deixar queimar ou colar e reserva-se.
Por último salteiam-se os espinafres do mesmo modo até reduzirem significativamente de volume, temperam-se com um pouco de sal e noz-moscada, retiram-se do lume e picam-se, reservam-se também.
Numa taça vertem-se as embalagens de ricotta tempera-se com sal e pimenta e acrescentam-se os legumes já cortados e salteados, as courgettes, os espinafres e o alho francês e metade do queijo mozarella ralado. Rectificar temperos se for caso disso. Este é o recheio da massa que entretanto já está cozida e arrefeceu um pouco, retira-se com uma colher um pouco e coloca-se dentro de cada massa, recheando generosamente. Colocam-se as massa recheadas sobre a cama de molho de tomate que forra o fundo do pyrex, que não precisa de ser muito espessa.

Depois de colocar toda as massas recheadas, verte-se o restante molho de tomate o queijo mozarella e o parmesão ralado e vai ao forno médio 180º a assar durante 25-30 minutos com folha de alumínio por cima a proteger e nos últimos 8-10 minutos destapado para tostar um pouco a cobertura.

Depois é só servir bem quente, como prato vegetariano ou para os mais comilões acompanhar uma carne...ou o que preferirem.

E para quem quiser consultar a receita original e para que não me acusem de plágio ver aqui*

Uma ideia que veio de longe e ficou na mesa...e vai continuar, foi aprovada com distinção à mesa de um meu jantar ;)
by me. 49543

Será marmelada ou compota de marmelo com maçã canela e limão?

Como diz o título será marmelada, parece marmelada sabe a marmelada mas não se fez como a marmelada, daí lhe ter dado o nome de compota.

Dizem os livros antigos de culinária que a marmelada se faz descascando os marmelos cozendo-os passando de seguida a puré e adicionar a um ponto de açúcar ao lume criando assim a tradicional marmelada, com canela, com limão ou com outro qualquer"adereço de palato" será assim a tradição. Esta não foi a forma que utilizei, saltei o esquema e produzi marmelada à séc XXI ou uma "fast sweet food", como, pois coloquei tudo em simultâneo ao lume e passei por varinha mágica no fim, resultado... uma marmelada!

O que usei;
. 1 kg de marmelo já descascado e partido em pedaços . 700gr de açúcar amarelo . 300gr de maçã reineta já descascada e partida . casca cortada fina de 1 limão pequeno . sumo de 1/2 limão . pau de canela . água q.b.

Depois de descascar os marmelos e as maçãs partir para uma taça com água e o sumo de limão para não escurecerem.

Deitar todos os ingredientes num tacho, marmelos e as maçãs escorridas as cascas de limão a canela e o açúcar, deitar água até cerca de um pouco mais de meia altura e deixar cozer lentamente até chegar ao ponto do açúcar pretendido, entre o pérola e um estrada depende de como gostem mais de marmelada com ponto ou não.

Retirar o pau de canela e as cascas de limão, passar tudo pela varinha mágica e guardar em tigelas com papel vegetal préviamente passado por aguardente, o que previne o bolor ou em caixas herméticas, foi o que eu fiz e coloquei no frio, ai o bolor não ataca, também nem tem tempo, à velocidade que ela sai com pão ou bolachas cream cracker nos lanches da pequenada, qual bolor qual carapuça ;)

Sabores de outono, este nunca falha mais a mais com marmelos biológicos vindos do quintal da minha amiga S, uma receita que se vai repetindo até desaparecerem os marmelos dos quintais amigos ou do mercado das frutas.

by me.
48289

gelado de iogurte com manga e laranja

O Verão ficou e cá estamos nós nas coisas frescas.

Esta é uma versão muito simples para um gelado caseiro, apenas precisamos de pensar que temos de ter já a fruta congelada ou usar a opção de a comprar congelada.

Usei para este gelado:
. 450gr de manga congelada cortada em cubos . 3 colheres de sopa bem cheias de leite condensado . 3 iogurtes gregos açucarados . raspa e sumo de 1/2 laranja

Coloca-se a fruta no liquidificador juntamente com os iogurtes e a raspa de laranja tritura-se até estar um creme. Acrescenta-se o leite condensado e o sumo da 1/2 laranja mistura-se bem. Verte-se numa taça para levar ao congelador pelo menos 1/2 hora antes de servir ou um pouco mais depende do congelador.

Simples, e rápido e que funciona muito bem com outras frutas como morangos, framboesas, frutos silvestres os meus preferidos ;)

by me. 47243

ideias e dicas de outros (update)

Porque as boas ideias se partilham...encontrei esta que achei fabulosa.

Utilizar o verso das formas para criar bases ocas para rechear de gelado ou qualquer outra coisa.

Quanto à receita desta massa, ainda não sei mas logo descubro o autor e a respectiva composição! ;)
46 178

p.s. em versão inglesa a espreitar... aqui*
traduzindo; os ingredientes:

. 2 3/4 chávenas de farinha de trigo . 1 colher de chá de sal . 1 chávena de manteiga sem sal, amolecida . 1 1/2 chávena de açúcar granulado . 1 ovo . 1 colher de chá de essência de baunilha . 1/2 colher de chá de extracto de baunilha

Aquecer o forno a 180ºc. Untar a forma no lado a usar com óleo.
Numa taça misturar a farinha com o sal .
Noutra taça bater a manteiga com o açúcar até obter um creme.

Bate-se o ovo inteiro com o extracto e essência de baunilha.
Ao creme de manteiga préviamente preparado adixiona-se o ovo batido e bate-se tudo.
Por último acrescenta-se aos poucos a farinha, misturando bem a cada pedaço adicionado.
Verte-se a massa sobre uma superfície polvilhada com farinha e estende-se a massa até ter uma espessura de 3mm sensivelmente.
Corta-se a massa em círculos com diâmetro suficiente para forrar a base das formas, colocando a massa por cima e moldando-a à forma e criando uma superfície lisa.

Leva-se ao forno, cerca de 10-13 minutos ou até a massa das bolachas estar assada e dourada.
Solta-se a massa com cuidado com ajuda de uma pequenas espátula soltando-as das formas e colocam-se sobre uma rede para arrefecerem.
Repetir a operação até acabar a massa, não esquecendo de deixar arrefecer bem a forma e lavando-a sempre a cada uso.
by me. 46842

tarte de leite e doce de framboesa

E numa das idas à livraria, que seria apenas para adquirir o rol de livros escolares, durante a espera eis que alguém de 1,10m vai consultar livros de culinária... Onde é que ele terá ganho este vício?!?!?!
Esta foi uma receita do livro comprado pelo meu filho e escolhida por ele.

Fez-me lembrar antigas tigeladas que eu comia em Lagos da Beira/Oliveira do Hospital feitas em taças de barro e cozidas em forno de lenha sempre mornas à minha espera como eu gostava isto em casa de uma tia bisavó ou então os pudins de pão que também faziam parte dos doces da minha infância. Mas esta é uma versão século XXI muito fácil e práctica.

A receita usa farinha de cevada apenas , coisa que eu não tinha em casa, mas que se pode comprar em lojas de produtos dietéticos. Mas isso não nos impediu de meter a mão na massa, não tinha cevada mas tinha trigo e milho, serviu fiz uma mistura nas proporções descritas nos ingredientes e ficou como mostra a foto.

Para esta tarte de leite ;
. 125gr de açúcar amarelo . 75 gr de farinha com fermento . 25 gr de farinha de milho . 1 colher de chá de canela em pó . 2 dl de leite evaporado . 4 dl de leite . 2 ovos . 3 gemas . raspa de limão 1 colher de café . doce de framboesa q.b. . manteiga para untar

Começa-se por forrar uma forma redonda com papel vegetal untado com manteiga.
Liga-se o forno a 180º.

Misturam-se os ingredientes secos, as farinhas o açúcar e a canela e neles adicionam-se os leites, evaporado e fresco, os ovos e as gemas e a raspa de limão, mexe-se muito bem.

Deita-se o preparado na forma e leva-se ao forno cerca de 45 minutos ou até estar cozido
Deixa-se arrefecer e desenforma-se, colocando-o num prato e barra-se com doce de framboesa a gosto.

E está feito, é só degustar!
by me. 45120

Lisboa restaurant week 2011


Já toda a gente sabe o que é...basta lembrar os sítios onde se pode ir por apenas 19€+1€
clica no teu restaurante aqui* ou aqui*
é preciso alguma antecedência para conseguir uma mesa... tenham um bom apetite!
by me. 44980

sumo de laranja para as férias

porque estamos de férias... sabe sempre bem... com um tipo de copo diferente até parece bebida gourmet... com um pequeno toque de vodka fica perfeito para um fim de tarde num terraço à beira-mar ;)
by me. 42869

peanut butter

Como é feita a manteiga de amendoim :/
by me. from somewhere out there 41712

o melhor...é nosso, claro!

o melhor peixe do mundo é nosso...nem aqui o nosso amigo dúvida ;)

by lança with me. 41488

home-cooked is...

from somewhere out there
by me.40853

Say cheese... cheesecake!

Uhmm, o que haverá para dizer sobre isto!

Que se tornou uma das preferências cá de casa, uma perfeita gulodice... bem gulosa ;)

Também as costumo fazer em tarteira grande mas agora tenho adaptado todas estas coisa aos meus copinhos de vidro que fornecem uma avantajada dose individual.

Esta versão foi feita com uma camada no fundo de fruta fresca, os morangos, iogurte misturado no creme de queijo Filadélfia e doce de framboesa por cima.

Com e como fiz:

Creme
. 1 embalagem de queijo creme filadélfia . leite condensado 3 colheres de sopa . 2 folhas de gelatina brancas . 2 iogurtes gregos açucarados . 1 colher de sopa de açúcar . 1 pacote de nata
Base
. 10 bolachas digestivas moídas . 40 gr de manteiga sem sal derretida . 1 colher de leite condensado
Cobertura e fundo
. Morangos frescos q.b. . doce de framboesa ou morango para a cobertura

Começei por fazer o fundo triturei as bolachas acrescentei a manteiga derretida e a colher de leite condensado até fazer uma base pastosa e coloquei no fundo de cada taça, pressionado com as costas da colher, levei ao frio enquanto preparei o creme de queijo.

Batem-se as natas firmes em chantilly com uma colher de açúcar, reserva-se.

Demolham-se as folhas de gelatina. Num pouco de água aquecido diluem-se por completo, deixa-se arrefecer.

Para o creme, bate-se o queijo com os iogurtes e o leite condensado. Acrescentam-se as folhas de gelatina já demolhadas e por último as natas batidas envolve-se tudo muito bem.

Entretanto lavaram-se e cortaram-se os morangos, envolvem-se num pouco de doce de framboesa.
Pega-se em cada uma das taças e criam-se as respectivas camadas. A seguir ao fundo de bolacha um pouco de morangos fresco, depois o creme de queijo.
Levam-se ao frio um pouco para ganhar alguma consistência.
Depois disso coloca-se então o doce por cima, neste caso de framboesa.

Eu costumo diluir o doce num pouco de água para se tornar mais líquido e menos forte, mas é pura opção minha.
Assim como podem acrescentar mais doçura ao queijo acrescentado açúcar no creme, cada mão cada cozinha.

E assim foi para a fotografia e não só... say cheeese!
by me. 40542

soufflé de pescada com espinafre e queijo

Mãaaaeee, peixe cozido!?
Quantos vezes esta é a frase que acusa o desagrado da pequenada... mais a mais com uma posta de pescada que sobrou de outro dia e que já deixei cozida e desfiada para aproveitar, nada se estraga tudo se transforma esse é o lema na minha cozinha.

Desta vez o aproveitamento converteu-se em soufflé para mim uma forma bem eficaz de reaproveitar peixe que sobrou.

Para estes pequenos soufflés;
. 150gr de peixe cozido e limpo de espinhas e pele . 2dl de leite . 50gr de manteiga ou margarina . 50gr de farinha . 4 claras . 3 gemas . 2 colheres de sopa de espinafres cozidos e picadinhos (usei congelados) . 1 colher de sopa de queijo ralado (flamengo ou outro) . 1 colher de chá de parmesão para polvilhar . sal e pimenta a gosto

Aquece-se o forno a 200º.

Num tacho derrete-se a margarina onde se acrescenta de uma só vez toda a farinha, criando um Roux espesso base para o nosso molho branco de suporte.
De seguida adiciona-se o leite aos poucos deixando cozer o creme de modo a ficar com consistência forte.
Acrescenta-se o queijo ralado, o peixe e os espinafres envolvendo bem.
Juntam-se as gemas já fora do lume.
Tempera-se a gosto com sal e pimenta moída na hora.
Por último e mesmo na hora de colocar no forno envolvem-se as claras que foram bem batidas em castelo firme.

Coloca-se o recheio em taças previamente untadas com margarina e polvilham-se com o parmesão ralado a gosto.

Levam-se as taças grés ao forno, que já está quente e a 200º, num tabuleiro com fundo de água também quente durante 25 a 30 minutos.

Servir mal estejam prontos e cuidado com as correntes de ar ao retirá-los do forno, que os fazem abater de imediato.
O que faço primeiro é abrir a porta do forno e deixo arrefecerem ali um pouco 3 min e depois servir-los juntamente com um prato de salada a gosto.

Assim saiu um almoço para três ;)
by me. 39892

beet cake

by 

assinatura . henrique mouro

Foi um almoço sim...mas não apenas um almoço.

A experiência foi conhecer as obras de Henrique Mouro, há uns tempos que andava a namorar os pratinhos que este chef cria, um adepto incondicional das ervas e flores na comida para salientar e complementar as suas criações, que se tornam pequenas obras de arte aos olhos e obras primas na degustação.

O que comi;
Comecei por uma sopa fria de alho porró e amêndoa torrada com ervas cujo nome não arrisco porque desconheço.

Seguiu-se a vitela maronesa, um naco de carne de vaca em cama de cogumelos morilos e quadradinhos de batata, alho francês e umas tantas ervas e flores e uma em especial que lembro o toque de mostarda em flor. Está-se sempre aprender, diz-nos o chef que existe por esses campos fora só que ninguém as utiliza, uma pequeníssima flor amarela com um sabor e aroma fantástico.

Para encerrar a sobremesa (1ª foto) gelado de morango e gelado de hissopo (erva aromática muito fresca que combina com o morango em perfeição, lembra uma mistura de menta estragão e alecrim) e ruibarbo tanto na base de bolo de nata como em longos rebuçados finamente caramelizados.

Vinho bebe-se a copo, se o desejarem.
A grande mesa na cave convive directamente com a cozinha,um sítio para voltar.
E já está a carta para o menu de verão, pois as ementas variam semanalmente e com cada estação a ementa fixa.
Já sabem uma "assinatura" que vale a pena testar e conhecer, digo eu ;)
by me. 39390

amuse de bouche mousseline de feijão verde com amêndoa torrada e bacon

Já aqui deixei a base para este creme verde, trata-se de uma mousseline de feijão verde.

Aqui apresento-a com nova roupagem um pequeno aperitivo ou amuse de bouche.

Para este creme que só fiz um pouco 2 taças pequenas como a apresentada onde me bastou:

. 200gr de feijão verde fresco .0,2 dl de nata . 1/2 colher de sopa de manteiga . 1 colher de chá de fécula de batata . 1 tira de bacon fina . 8 amêndoas cortadas em laminas e tostadas . 2 colheres de sopa de alho francês cortado tiras finas . 1 colher de sopa de talo de aipo . sal pimenta preta q.b

Lavam-se os feijões tiram-se os fios e as extremidades e cortam-se em pequenos troços que se levam a cozer juntamente com o alho francês e o aipo e um pouco de sal.

Depois de bem cozidos retiram-se da água e colocam num copo liquidificador, tritura-se bem até se obter uma polpa cremosa.
No tacho coloca-se a manteiga e a 1/2 da nata aquecer verte-se o creme de feijão e de seguida a restante nata onde se dissolveu a fécula de batata.
Deixa-se engrossar um pouco ao lume sem deixar pegar o fundo.

Numa frigideira que não pegue bem aquecida colocam-se as amêndoas cortadas em lâminas a tostarem, retiram-se do lume e reservam-se.
Na mesma frigideira frita-se a fina tira de bacon de modo a reduzir a gordura. Retira-se do lume deixa-se repousar sobre papel absorvente de modo a largar o excesso de gordura e corta-se em pequenas tirinhas.

Deita-se o puré em pequeninas taças que entretanto se adicionou a pimenta moída e o sal a gosto e e coloca-se por cima a amêndoa torrada.
Aqui coloquei gressinos finos para retirar o creme e folhas de alface iceberg, mas pode ser comido directamente das taças como doses individuais.

Já criei outra variação onde fiz pequenos triângulos de massa tenra fina torrada em chapa que serviu igualmente para o mesmo efeito que os gressinos... foi a minha receita para o masterchef :)

Amusez vous!... aussi
by me. 38544

verrine de mousse cremosa de mascarpone e laranja

Apesar de a onda laranja andar aí... esta receita nasceu antes disso!

As laranjas deste ano andam magnificas e muito acessíveis e de todas as que tenho comprado quer no mercado quer em super ou hiper não me teem desiludido quanto à sua doçura e suculência.

Eu sei que sou mais doces, pelo menos por aqui, para mim são mais facilmente transmitidas as ideias e é apenas por isso, porque a fazer eu faço de tudo e invento ainda mais...

Nesta taça usei; base fatia de pão-de-ló bem fofo e fino, por cima laranjas frescas partidas em pedaços e o creme foi de mascarpone com uma redução de sumo de laranja, sumo de laranja e nata batida.

As que quantidades usei foram:
. 200gr queijo mascarpone . 2dl nata fresca batida em chantilly com uma colher de sopa de açúcar em pó . 6 laranjas= 2+1 em sumo + raspa de 1 + 1 a 2 cortadas em pedaços colocar por cima . 2 colheres de sopa de aguardente velha . 2 colheres de sopa de açúcar branco + 2 colheres de sopa de açúcar amarelo . 2 folhas de gelatina branca

Comecei por preparar a redução de laranja e demolhar a folha de gelatina.
Num tacho coloquei o sumo de 2 laranjas com a raspa de 1, as colheres de açúcar branco e de aguardente velha, deixei ferver até ficar cerca de metade a um terço do líquido, uma espécie de calda densa.
Retirar do lume e adicionar as folhas de gelatina previamente demolhada e escorrida. Deixar arrefecer bem.

Numa taça coloquei o queijo mascarpone, com as colheres de sopa de açúcar amarelo bem cheias e sumo de uma laranja envolve-se bem com batedeira eléctrica.
De seguida acrescentei a redução já fria de laranja que se preparei anteriormente.
Por último envolvi as natas batidas em chantilly.

Para montar as taças, coloca-se o bolo no fundo humedece-se com um pouco de sumo de laranja, coloca-se o creme de mascarpone e leva-se ao frio pelo memos uma hora.

Na hora de servir acrescenta-se a laranja fresca cortada no momento.

Et voilá... laranjas fresquinhas, fresquinas e deliciosas!
by me. 37813

coelho estufado com mel, castanhas e pleurotus

A coelhinha da Páscoa passou cá por casa e... tungas, foi parar ao tacho!

Esta receita é difícil de quantificar mas vou deixar a ideia de como a preparo, sabendo que as quantidades são mais ao menos as que indico.

Como muitas receitas de coelho, este fica numa vinha de alhos de um dia para o outro e depois sim se prepara o estufado.

Para a vinha de alhos:
. 1 coelho partido em pedaços . vinho tinto 4 dl . 3 dentes de alho laminados . 1 colher de sopa de mel . sal 1 colher de chá . mistura de pimentas moída na hora, a gosto . 1 colher de chá de ervas da Provence . uma folhas de lúcia-lima . 1 dl de vinho do Porto tawny . 1 colher de chá de molho inglês . 1 folha de louro

Numa taça colocam-se os ingredientes todos misturados e deixa-se no frigorífico tapado de um dia para o outro.

Para o estufado:
. 1 cebola grande laminada . 1 fatia de bacon cortada fina em tirinhas . pleurotus (ou outro tipo de cogumelo) . castanha congelada cerca de 100gr . azeite para cozinhar . margarina 50gr . 1 colher de chá de fécula de batata (se for necessário engrossar o molho) . 1 colher de sopa de créme fraiche . salsa picada q.b. . alecrim fresco q.b

Depois de cortar a cebola, o bacon e ter os cogumelos limpos e cortados em 4 pedaços, coloca-se um pouco de azeite no fundo de um tacho aquecer, mesmo muito pouco, deita-se o bacon e deixa-se fritar de modo a largar a gordura.
Acrescenta-se mais um pouco de azeite e coram-se os pedaços do coelho, de seguida adiciona-se a cebola e os cogumelos deixa-se cozinhar um pouco sem deixar pegar acrescenta-se a margarina e deixa-se envolver tudo, verte-se a vinha de alhos onde esteve o coelho e o alecrim fresco e deixa-se estufar lentamente até a carne se soltar dos ossos.

Um pouco antes de terminar o estufar do coelho acrescentam-se as castanhas congeladas e deixam-se cozer.
Quando tudo estiver pronto juntar o créme fraiche e por último a salsa picada.

Se o molho estiver muito líquido, costumo engrossar acrescentado ao molho um pouco de fécula de batata diluída em água.

Assim saltou um coelho para a mesa, que apesar de ser um prato quente e invernoso andou cá por casa na Páscoa!
by me. 36843

Spiromat

Eu perco-me a ver utensílios de cozinha, acho este genial, a não ser a dimensão e o formato para arrumar em casa..

Chama-se Spiromat da Westmak e está à venda na loja dos cozinheiros, o site está em remodelação mas espreitem a página do facebook
by me. 36063

Tarte de morango com iogurte

Foi para o dia da mãe!
Mas o pai comeu e os filhos também!

Quando uma Verrine de fruta se transforma numa tarte de morango, foi apenas isso que fiz.

Partindo do mesmo principio criei apenas uma base de bolacha com amêndoa para a base e "gelatinei" o creme de iogurte e queijo de modo a conseguir a textura para conseguir cortar fatias.

Assim para esta Tarte de morango:
. 500 gr de morangos cobertura + 250gr para puré . 2 dl de nata batida . 2 folhas de gelatina branca . 1 folha de gelatina vermelha . 2 iogurtes naturais . 2dl de queijo tipo quark . açúcar amarelo 2 colheres de sopa para o puré de morango + 3 colheres de sopa para o creme . 2 colheres de sopa de vinho do porto . doce de morango q.b ou geleia

Para a Base de bolacha e amêndoa:
. 2/3 do pacote de bolacha maria . 50 gr miolo de amêndoa picado, quase em pó . 80gr manteiga sem sal derretida . 1 colher de sopa de açúcar

Demolham-se as folhas de gelatina em água fria.
Lavam-se os morangos e retiram-se os pés dos mesmo e deixam-se a escorrer.

Entretanto prepara-se a base da tarte, colocando todos os ingredientes num liquidificador, triturando bem de modo a obter uma massa peganhenta mas moldável com os dedos.
Forra-se a tarteira, que não precisa de ser de fundo amovível, com essa massa calcando bem com ajuda de uma colher ou de uma pequena espátula, coloca-se no frio enquanto se termina o resto da receita.

Trituram-se num copo de batidos 250gr dos morangos com as 2 colheres de sopa de açúcar amarelo e o vinho do porto obtendo um puré espesso, reserva-se.

Numa taça batem-se as natas em chantilly com uma colher de açúcar, reservam-se.

Noutra taça colocam-se os iogurtes naturais açucarados o restante açúcar, e o queijo quark e bate-se com as varinhas misturando bem.
De seguida misturam-se as gelatinas que entretanto se dissolveram num pouco de água quente e onde se juntou o puré dos morangos e verte-se tudo, depois de bem misturado no preparado anterior.
Por fim envolvem-se as natas batidas em chantilly e verte-se sobre a base já fria da tarte, e leva-se ao frio.
Cortam-se os morangos já bem escorridos em laminas finas que vão servir para cobrir toda a tarte conforme a fotografia.
Por fim pincelei com um pouco de doce de morango diluído em água, para conservar a fruta brilhante e com aspecto fresco.

E foi uma tarte Pretty in Pink.
Com muitos corações doces em cima...como todas as mães!
by me. 34488

mousse de banana

Bananas demasiado maduras...outra vez!

Desta não foram uns batidos que se fizeram, mas sim umas mousses de banana para aproveitar o clima tropical que esteve na minha cozinha que as amadurecei demais.

Usei nesta mousse:
. 3+1 bananas grandes . sumo de 1/4 limão . 2 iogurtes naturais açucarados . 1 folha de gelatina . 1 dl de nata batida com 1 colher de açúcar . 3 colheres de leite condensado . 3 colheres de sopa de açúcar para a mousse + 3 colheres de sopa para caramelo

Demolha-se a folha de gelatina em água fria.

Cortam-se 3 das bananas em pedaços e colocam-se de imediato num tacho em água com o sumo do limão.
Leva-se ao lume baixo a cozer durante 5 minutos de fervura.
Retiram-se as bananas da água e colocam-se num copo de batidos onde se trituram com as 3 colheres de açúcar.
Verte-se o puré numa tigela e acrescenta-se a folha de gelatina já escorrida, deixa arrefecer completamente.

Numa taça colocam-se os iogurtes, e as colheres de leite condensado, misturam-se bem, acrescenta-se o puré das bananas já bem frio e por último envolve-se o chantilly.
Colocam-se em pequenas taças e leva-se ao frio.

Como servi com um rodela de banana caramelizada, acrescentei mais um ponto em cima.

Numa pequena frigideira deitar as 3 colheres de sopa de açúcar branco e deixar caramelizar, deitar as rodelas de banana cortadas em rodelas inclinadas com alguma espessura cerca de 5 a 7mm para que não se partam e envolver no caramelo não precisa de estar em cima do lume só se o caramelo endurecer demasiado, colocar num prato para arrefecer, depois é só colocar por cima de cada uma das mousses.

Penso que a maioria das mousse de banana tem licor das mesmas, talvez seja uma boa mais valia cá em casa não há, por isso não pude testar, mas deixo a ideia.

O que é que a banana tem? Tem? ...tem doce, tem iogurte, tem mousse e caramelo ;)
by me. 34017

Terrina de frutas em mousse de amêndoa e coulis de morango

Serve a fotografia desta minha sobremesa para vos desejar uma Boa Páscoa
E para dar inicio à cozinha nesta época fiz; uma base de torta de amêndoa recheada com frutas e mousse de amêndoa, servida com coulis de morango, aqui coloquei ao lado em taça para verem o efeito de cada fatia deste bolo mousse.
Soa bem e soube melhor, e o vermelho não é sangue de sacrifício, sacrifício dos morangos que usei para o coulis.
Receita sofisticada da autoria de um chefe Francês, nos últimos tempos parece que ando muito por lá ;)

Deixo mais tarde a receita completa e o nome do autor. Até lá tenham uma Boa Páscoa.

Como o prometido é devido, a receita:
Para poder fazer tudo conforme se vá precisando, começa por preparar a base deste bolo que deve ser usada quando estiver completamente fria.

Para a base torta de amêndoa;
. 6 ovos . 200gr de açúcar . 100gr de farinha . 50 gr de miolo de amêndoa ralado com casca . 50 gr de fécula de batata . 1 colher de sopa de margarina derretida . 1 colher de café de fermento em pó

Batem-se as claras em castelo e reservam-se.
Batem-se as gemas com o açúcar até obter creme esbranquiçado, acrescenta-se o miolo de amêndoa envolvendo bem.
De seguida junta-se a farinha com o fermento e a fécula de batata em pequenas porções.
Envolvem-se as claras em castelo e por último a margarina.
Leva-se a forno a 180º em tabuleiro para torta.
Deixar arrefecer bem para acabar a receita.

De seguida faz-se o recheio de mousse de amêndoa;
. 2 gemas . 1 clara em castelo . 2 dl de natas batidas em chantilly com 1 colher de açúcar . 120 gr de manteiga sem sal . 160gr de açúcar em pó . 160gr de miolo de amêndoa sem pele . 40 ml de Grand Marnier

Bate-se a manteiga com o açúcar.
Acrescentam-se as gemas e continua a bater.
Junta-se o miolo de amêndoa e o Grand Marnier.
Por último incorpora-se o chantilly cuidadosamente.
Leva-se ao frio.

Frutas:
.1 manga . 3 a 4 kiwis . morangos 300gr
Lava-se e descasca-se a fruta, retiram-se os pés aos morangos .
Cortam-se as mangas e os kiwis na vertical em 4 partes.

Cobertura para servir, coulis de morango:
. 200gr de morangos . 2 colheres de sopa de açúcar amarelo . 3 colheres de sopa de vinho do porto . 3 colheres de água

Colocar todos os ingredientes num copo de batidos e triturar, deixar no frigorífico até à hora de usar.
(também pode ser usado um coulis de framboesa, mas tem de ser coado por rede porque as sementes da framboesa são desagradáveis de encontrar e não precisa tanto do vinho do porto fica ao critério de cada um acrescenta-lo ou não)

Depois das tarefas todas concluídas e tudo pronto para enformar esta terrina especial precisamos uma caixa ou forma rectangular ou quadrangular que se forra na base e nos lado com a base de torta de amêndoa, eu consegui abrir ao meio porque não usei um tabuleiro demasiado grande e como tal tinha altura de bolo para o fazer, mas se não der, não tem qualquer problema, convém é que a torta seja fina sem se rasgar, para criar uma boa caixa de suporte sem se tornar demasiado.

Como estava a dizer, forra-se a base e os lados com a torta, coloca-se um bocado de mousse até cerca 1/4 da altura e fazem-se linhas com cada uma das frutas, 1º manga, 2º kiwis e 3º morangos, e assim sucessivamente de modo a criar um padrão quando se corte a fatia, fruta terá de estar coberta com mousse no fim.
Tampa-se com a restante torta de amêndoa, encerrando assim a caixa de bolo criada, leva-se ao frio pelo menos 2 horas antes de servir.

Para servir, cortar a fatia no sentido perpendicular das linhas de fruta e deitar o coulis de morango por cima.

Coisas de franceses neste caso chefe Firmin Arrambide, onde fui buscar a ideia e parte da receita, que entretanto recreei a meu gosto!

Uma receita mais elaborada, mas também foi para um fim-de-semana diferente ;)
by me. 33594

creme toffe

Saiu mais uma bomba de calorias...
Para não ser a baba de camelo tradicional, lá fui inventar mais uma.

Um creme de leite condensado cozido onde acrescentei pouca coisa. Uma experiência para comer à colher.

A proporção foi mais ou menos esta:
. 1/2 pacote de nata . 2 dl de queijo creme tipo quark . 1/2 lata de leite condensado já cozido . 2 bolachas trituradas . miolo de amêndoa torrado 6 amêndoas

Triturei a bolacha com as amêndoas até ficar textura de areia. (eu usei o quase esquecido moinho de café para triturar, sempre se tira do armário)

Numa taça bati as natas.
De seguida juntei o leite condensado e por último acrescentei o queijo Quark, tudo bem envolvido e está o creme feito.

Forrar as taças com a areia de bolacha e amêndoa deitar o creme e polvilhar com mais um pouco de bolacha triturada.

Levar ao frio para ganhar mais consistência e servir.
Sem qualquer dificuldade "et à grande vitesse", lá se fez provou, comprovou e aprovou esta cremosa sobremesa, isto é mais rápido e melhor que qualquer orçamento, e mais eficaz, pelo menos agrada a todos...os mais gulosos.

Foi mais uma bomba de calorias a pedido da minha pipoca que adora leite condensado cozido, um doce por cada nota 5 na pauta...vai engordar :)

by me. 33107

creme de xuxu e agrião

Pois, está calor... uhmm, daqui as uns dias... um bikini pela frente!
Bem e mais do que isso tenho de tomar conta daquilo que como, que isto de ter mais do que 15 anos trás algumas desvantagens, poucas, mas algumas ;)

Já disse várias vezes que a sopa faz parte do meu menú diário, aliás passou a ser uma das minhas refeições quer por um motivo ou por outro mantenho este hábito e assim vou criando e variando os sabores e as texturas usando misturas de legumes que tanto aprecio.

Para esta healthy fast food:
. 2 xuxus . 1 alho frances (parte branca) . 1/2 nabo médio . 2 courgettes pequenas/médias . 1/4 molho de agrião . 1 colher de chá gengibre fresco ralado . azeite . sal

Descascam-se os xuxus, o nabo e a courgette (aqui pura opção minha porque queria uma base verde larinha, podem deixar ficar com a casca) e cortam-se em pedaços assim como a courgette e leva-se a cozer numa panela com um pouco de sal.

Quando tudo estiver bem cozido triturar com a varinha mágica.
Retirar 1 ou 2 conchas deste caldo e cozer nele as folhas do agrião durante 10 minutos. Depois de cozidas triturar com a varinha mágica.

Antes de servir acrescentar um pouco de azeite aos caldos claro.

Deitar o creme verde claro no prato colocar uma espiral do creme de agrião e alguma gotas de azeite.
E já está!
Um duo verde para provar...ou será uma sopa de esperança :)
by me. 32736

Verrine com iogurte e fruta III

Já nem sei quantas Verrines inventei...ou quantas se comeram cá por casa!

Mais uma sugestão fresca.
Esta levou:

. Fatia fininha de Pão de ló forrar o fundo . abacaxi cortado em pedaços . iogurte grego natural adoçado com 1 colher de leite condensado

Forrei o fundo com a fatia fina de bolo, reguei com o suco do abacaxi e coloquei um pouco da fruta.
Deitei o creme de iogurte grego adoçado.
Acrescentei mais um pouco de abacaxi novamente iogurte e por último abacaxi.

Levar ao frio e servir bem fresquinhas.
Foi mais uma sobremesa fast food para a minha pequenada, hoje em casa.

by me. 32390

Verrine com iogurte e fruta II

Tenho cliente assíduo ou com apetite voraz cá por casa para estas Verrines, como tal, andamos em experiência!

Esta levou:
. pão-de-ló de água que acrescentei sementes de papoila . iogurte de manga . manga fresca partida . granulado de chocolate

Fácil...é só acamar e provar.
1-Colocar uma fatia fininha de Pão-de-ló (*receita base aqui) à maria papoila, porque polvilhei depois de verter na forma com sementes de papoila, o que lhe confere uma textura engraçada ao trincar, uma ideia apenas.
2-Deitar um pouco de manga cortada em pedaços pequenos e um pouco de sumo da mesma.
3- Cobrir com o iogurte de manga
4- Juntar mais pedaços de manga
5- Polvilhar com o granulado de chocolate

Já se sabe, podem sempre repetir a sequência haja altura na taça, por isso nem refiro as quantidades, é o que couber.

Aqui fica mais uma das que tenho feito ultimamente, ideias frescas para um tempo que aquece!

Bom fim de semana :)
by me. 32107

Lisboa restaurant week

Quase acabar... começou a 31 Março acaba já amanhã 9 de Abril.
Mas para quem quiser ainda tentar e por apenas 20€ o menu, e uma causa solidária onde reverte 1€ já sabem é só escolher o restaurante de eleição e ter sorte!

coisas com ganache de chocolate

Porque "Das coisas nascem coisas" como escreveu Bruno Munari, com toda a certeza que esta teoria do design se aplica na concepção culinária.

Penso que não poderia ser mais acertada esta simples teoria porque neste meu atelier de sabores e aromas, denominada cozinha ou laboratório culinário é onde testo, altero, reaproveito e reinvento sabores e pratos ou seja crio coisas de comer com coisas de comida, coisas onde nascem coisas.

E foi o que fiz, acrescentado 3 ingredientes a uma simples fatia de bolo neste caso o mármore/girafa, compus mais uma Verrine de luxo.
Simples, coisas simples mas que se comem com o olhar como se diz na gíria de marketing um autêntico Teaser.

Para este sobremesa:
. fatias muito finas de bolo mármore ou outro fôfô . chantilly pouco açúcarado . doce de framboesa diluído com um pouco de água (e podem colocar um pouco de rum, porto, armagnac por ex.) . framboesas frescas . ganache de chocolate (chocolate amargo 70% e créme fraiche, peso iguais)

Começa por se preparar a ganache de chocolate que não é mais do que o chocolate derretido em banho-maria juntamente com o créme fraiche em pesos iguais ou seja 200 de chocolate para 200 de créme fraiche.
Dizem os peritos que deve ser feito de véspera, mas eu fiz de manhã para a tarde já que não era para rechear um bolo mas sim comer à colher.

Dilui-se o doce no pouco de água para regar o bolo.
Construir as camadas da Verrine.
1-fatia de bolo 2- regar 3-alguma framboesas 4- ganache de chocolate 5-chantilly 6-framboesas (com migalhas do bolo neste caso)

Dependendo dos copos ou taças podem sempre continuar a repetir a sequência.
A fotografia tem demasiado reflexo para se ver bem o efeito, mas garanto que é bem apetecível, isto para o universo dos mais gulosos, claro!

E foi uma coisa de coisas na cozinha ;)
by me. 31852

bolo mármore

Há uns tempos que ando com esta ideia, um clássico do antigamente, bem lá o fiz este fim de semana.
E assim que tirei o bolo do forno, alguém de metro e dez de altura rebaptizou-o por bolo girafa, tem alguma lógica. O que é amarelo e castanho, claro que são as girafas e não o mármore, assim ficou, o nosso bolo girafa!

Mais difícil é transmitir as quantidades, joguei um pouco com o olhómetro.

Usei para esta girafa:
. 4 ovos + 1 gema . 8 colheres de sopa de açúcar . 3 colheres de sopa de farinha . 1 colher de café de fermento . 1 colher de sopa de fécula de batata . 2 colheres de sopa de água quente . 75gr de chocolate de culinária em barra . 1 colher de chá + 1 colher de sopa de margarina . 1/2 chávena de café de leite

Derreti o chocolate com o leite e a colher de sopa de margarina em banho maria.
Depois de derretido acrescentei a gema de ovo que convém mexer bem e rapidamente, reserva-se.

Entretanto separam-se as gemas das claras para taças diferentes.
Batem-se as claras em castelo firme e reservam-se.
Batem-se as gemas com o açúcar até obter um creme fofo, junta-se a água quente e continua-se a bater até estar tudo bem homogéneo.
Acrescenta-se a farinha e a fécula de batata.

Divide-se o creme das gemas cerca de metade para outra taça onde se adiciona o chocolate já derretido e um pouco arrefecido.

Envolve-se bem 1/2 das claras em castelo em cada uma das taças.
À massa amarela e por último juntei-lhe a colher de chá de margarina derretida envolvendo cuidadosamente.

Numa forma de bolo inglês forrada a papel vegetal, ou simplesmente barrada com margarina e farinha deitam-se as duas massas em bocados alternados de modo a criar o efeito pretendido, o marmoreado.

Coloca-se em forno previamente aquecido a 180º e deixa-se cozer até estar pronto, cerca de 35 a 40 minutos sensivelmente, depende dos fornos.

E lá ficou e já lá foi...
Uma doce e achocolatada girafa na nossa mesa de fim de semana!
by me. 31530

Salada de favinhas com vinagrete e coentros

Já andam por cá e assim devagarinho se anunciam aos poucos os legumes e sabores da primavera.

Já sei que favas são favas e não agradam a muitos, quer por mandarem à fava ou por serem favas contadas ou lá o que dirão os ditados populares, mas eu faço-as porque desde sempre e de longe no calendário fizeram parte do menu familiar como tal, continuo a tradição gustativa que me foi ensinada.

Como estas favas são muito pequenas e tenras são as mais indicadas para comer em salada fria.
Foi o que fiz uma pequena entrada feita apenas com fava cozida e temperada com um vinagrete com coentros picados.

Usei:
. favas pequenas frescas cozidas em água temperada com sal . azeite q.b . vinagre de vinho branco q.b . sal marinho q.b . pimenta moída na hora . coentros frescos picados

Nada mais simples de fazer, retirar as favas do favo e cozer em água temperada.
Deixam-se arrefecer e temperam-se a gosto com o vinagrete e os coentros picados, deixar a marinar um par de horas no tempero e servir.

Quanto às quantidades, depende do gosto de cada um, mais ácido ou menos, mais apimentado, com cebola picada crua acrescentada... são critérios e a mão de quem faz e serve que vão definir.

E sem mandar ninguém à fava, uma salada com favas contadas... ou não?

by me. 30962

Fusilis com courgette, bacon e pesto de manjericão

Voltamos à massa... já que estamos a ficar sem massa na carteira.

Costumo dizer que a massa serve para tudo, lembro-me na minha 1ª gravidez me dar para comer esparguete cozida temperada com azeite e folhinhas de tomilho, apenas e só, coisas de grávida mas de facto bastava-me e não me deixava maldisposta, coisa que às vezes se tornava muito difícil lembranças minhas da dita alegria da maternidade!

Hoje deixo aqui apenas uma sugestão que pode dar origem a milhentas variações, a verdadeira cozinha simples caseira e personalizada que alimenta e seduz pelos aromas que emana.

Para este prato simples, e as quantidades depende das doses:
. 250 gr massa de fusilis ou outra . 1 a 2 courgettes médias ou pequenas . 4 tiras de bacon finas . pesto de manjericão q.b. . sal . pimenta . queijo ralado ilha ou parmesão a gosto . tomate cherrie

Para o Pesto de manjericão:
. azeite 1/2 chávena de chá . 5 pés de manjericão fresco folhas apenas . quejo parmesão ou ilha ralado 1 a 2 colheres de sopa . miolo de 3 nozes ou 1 colher de chá de miolo de pinhão . 1 dente de alho

Coze-se a massa em água temperada com sal conforme instrções da embalagem.

Grelha-se o bacon numa frigideira que não pegue até que fique crocante e deixa-se secar sobre papel de cozinha, reserva-se.

Na frigideira onde se grelhou o bacon coloca-se a courgette cortada em pedaços e deixa-se fritar até estar feita sem deixar amolecer demais e reserva-se.

Para fazer o pesto colocam-se todos os ingredientes, o azeite, folhas de manjericão, nozes ou pinhão e queijo ralado num copo de batidos e trituram até estarem bem desfeitos.

Quando a massa estiver pronta, escorre-se guardando cerca de um copo da água da cozedura. Verte-se a massa na frigideira onde ficaram as courgettes e por último o bacon que entretanto se cortou em tiras finas.
Envolve-se tudo, e se a massa estiver demasiado seca acrescenta-se um pouco da água da cozedura.

No prato de servir tempera-se com um pouco do pesto, o que vai esverdear a massa e coloca-se por cima o tomate cherrie cortado, algumas folhas de manjericão e queijo ralado a gosto.

Leva-se o molho para a mesa para quem quiser acrescentar à massa.

Já está uma fast food at home, nada mais simples...e com isto tudo fiquei cheia de fome! ;)
by me. 30345

Verrines com iogurte e fruta

Mais uma sobremesa instantânea, para isso basta juntar os ingredientes que temos.

Uma sugestão inspirada nas fabulosas sobremesas francesas servidas em pequenas taças ou copos de vidro, uma ideia para compor estas sinfonias que envolvem cores e sabores.

Para fugir a muitas calorias em vez de natas batidas ou um sabayon ou mesmo um queijo creme a opção foi o iogurte, que funciona lindamente,

Para este copo:
. iogurte espesso e açucarado com pedaços de morango . doce de morango . bolo de chocolate . morangos cortados . folha de hortelã

As quantidades variam com o tamanho do copo, como é lógico, por isso não quantifiquei.

Da mesma forma que as saladas os ingredientes definem, colocam-se por camadas, começando pelo bolo esfarelado, de seguida doce de morango não é preciso colocar muito, os morangos e iogurte repetindo até encher o copo até acima.

Nada mais simples e mais fresco.

Milhentas hipóteses para estas tacinhas, com restos de bolo, frutos secos, outras frutas suculentas que gostem como o pessêgo e compotas, até os ingleses tem uma sobremesa feita com o mesmo princípio os triffles.

Criar camadas de cor e sabor e colocá-las num recipiente de vidro que permita visualizar o efeito torna tudo mais atractivo e aguça-nos o apetite.

Inventar riscas de sabor, é o lema :)
by me. 30011

Vinagrete de framboesa

E porque como muitas saladas, às vezes é preciso acrescentar sabores e aromas diferentes quer sejam um simples acompanhamento de um prato principal ou como faço muitas vezes, o prato principal.

Ando a experimentar vinagretes diferentes, por isso deixo um que seduz com toda a certeza pela sua cor, mas o sabor não lhe fica atrás. O ácido deste fruto conjuga na perfeição com as características deste tempero.

Para esta strong pink vinagrete;

. 1/2 chávena de framboesas frescas . 2 colheres de sopa de vinagre de cidra . 1 colher de sopa de vinagre de arroz (pode ser substituído por vinagre de vinho branco) . 1/2 chávena de azeite . 1 colheres de chá de mel . 1 colher de sopa de mostarda Dijon . 1 colher de chá de suco de limão fresco . Sal e pimenta a gosto

Trituram-se as framboesas com varinha mágica e coam-se por passador de modo a retirar as sementes, reserva-se numa taça.

Num copo de batidos misturam-se todos os outros ingredientes e batem-se bem, de modo a envolverem.
Acrescentar este batido à polpa de framboesa rectificam-se os temperos e leva-se ao frio.

Podem ser alteradas as quantidades de modo acertar com o nosso gosto, mais pimenta ou menos, mais limão, etc.
Já se sabe, agitar antes de usar.

Sobre uma salada de espinafres baby ou uma mistura mesculum, acrescentando fiambre ou frango, fica perfeitamente perfeito e com algumas framboesas inteiras por cima, oh la la.

by me.
28899

two peaces of cake, birthday cake!


Um aniversário para dois bolos!

A pedido da minha pipoca mais crescida neste seu 12 aniversário, um bolo vermelho.
Famosos na América e agora cá por casa também, de qualquer modo o que é a América dentro da minha cozinha? Uma ilha, pois então.

A receita base de um dos bolos, o segundo onde acrescentei framboesa, foi tirada do blogue bakerella.com - Red Velvet Cake.

Os cremes brancos que usei foram, no primeiro bolo queijo mascarpone e natas batidas e no segundo, de creme de queijo, nata batida e leite condensado acrescentado ainda a frescura ácida das framboesas.

Acrescentamos efeitos de pasta de açúcar ou pasta americana, uma brincadeira a quatro mãos.

E foi assim duas festas, dois bolos o mesmo aniversário!
by me. 28427

Burras de porco preto

O que são as burras!?!?! Já me perguntei eu.
Nada mais que as bochechas de porco, preto neste caso.

Uma carne tenra de um sítio estranho do animal...estranho para quem não ande por tascas e petiscos neste país. Sabor intenso mas que precisa de ser bem cozinhado, isto para os palatos cá deste meu burguinho

Resolvi fazê-los e resultam muito bem em guisado, continuando com as comidas quentes deste meu inverno em que o tacho e o forno lideram na minha cozinha caseira. Mais a mais é sempre a reserva que está pronta para usar quando chego mais tarde a casa e assim posso fazer um pouco de relax no meu sofá...o meu mapling!

Para fazer este guisado usei:
. 6 burras ou bochechas . 1 tira de bacon+- 1,5 cm de espessura . 1 cebola grande . 1 tomate chucha fresco pequeno . 2 colheres de sopa de tomate seco . 1/2 alho francês picado . 6 cogumelos fresco(usei uns normais brancos, mas podem usar qualquer outro tipo) . 4 dentes de alho . vinho do porto 1 + 1/2 chávena de café . 1 folha de louro . salsa . pimenta . sal . créme fraiche 2 colheres de sopa . azeite q.b. . margarina

Como todo os estufados, começa-se por preparar todos os ingredientes, lavam-se, descascam-se pelam-se e picam-se os legumes.
Parte-se o bacon em bocados.

Num tacho coloca-se a gordura que não é preciso ser demasiada, um pouco de azeite no fundo e um pouco de margarina e aquece-se juntamente com o bacon de seguida deita-se a cebola e o tomate, deixa-se mais um pouco.

Junta-se as burras juntamente com os cogumelos, o alho francês, os dentes de alho, o sal e a pimenta a gosto a folha de louro e o tomate seco partido.

Deixa-se fervilhar sem deixar pegar corando um pouco a carne.

Adiciona-se o vinho do porto misturando tudo, acrescenta-se água e deixa-se cozinhar até estar a carne tenra e macia, e o molho estiver apurado.

No final acrescenta-se o créme fraiche e a salsa picada a gosto.

E está pronto para servir, nada demais.

Acompanharam estas burras, uns ravioli de 4 queijos e uma salada de alface, um prato caseiro com sabor intenso, quase regional diria, não fosse os italianos aqui pelo meio e o francês do alho a meter o bedelho :)

Bom apetite!
by me. 27834

Carne de vaca estufada com tempero de legumes

Comida de tacho, os estufados ou guisados, como lhe queiram chamar ou, como diria um inglês, A Perfect Stew.

É a cozinha caseira com sabor, daquela que nos lembra sempre de existir, perfeita para ter no frigorífico e reaquecer durante a correria da semana, e claro que também faz parte dos sabores de inverno.

Para este estufado, usei naco de carne de vaca, geralmente o ganso redondo, mas pode ser usada outra peça, como foi o caso desta fotografia mas isso fica entre vocês e o vosso talho, o meu indica-me sempre boa e tenra carne para cozinhar estes pratos e cujo o local na vaca eu nem sei o nome.

Foram precisos:
. 1 kg de carne de vaca tenra para estufar . 1/2 alho francês . 1 talo de aipo . 1 pimento vermelho . 1 cebola grande . 2 tomates chucha maduros, médios . 6 cogumelos . 2 cenouras pequenas . 1 tira fina de bacon . 4 dentes de alho . 1 folha de louro . sal . pimenta . 2 colheres de sopa de molho inglês . azeite q.b. . 50 gr margarina . 1 colher de sopa rasa de fécula de batata para engrossar o molho . salsa picada q.b. . natas/créme fraiche/ creme de aveia (facultativo)

Lavam-se e descascam-se os legumes.
Pela-se o tomate e o pimento.
Picam-se as cebolas, os alhos, e o tomate sem sementes
Cortam-se em rodelas finas o talo de aipo, o alho francês e cortam-se também os cogumelos sem grande preceito em laminas grossas ou em pedaços.
A tira de bacon corta-se em pequenas tirinhas rectangulares sem o corato.
Partem-se as cenouras longitudinalmente em palitos e corta-se o pimento em tiras finas ou pequenos pedaços como preferirem encontrar no prato.

Depois dos legumes todos preparados, deita-se no tacho a aquecer o azeite e a margarina de seguida deita-se a cebola, os alhos, deixar aquecer um pouco acrescenta-se o tomate e parte dos pimentos e deixa-se aquecer.
Coloca-se a carne e de seguida os restantes legumes e temperos, o sal, a pimenta, o molho inglês, deixa-se fervilhar um pouco e verte-se água bem quente até a carne ficar imersa, tampa-se e deixa-se em lume brando, até que a carne cozinhe o suficiente e fique tenra, processo este que demora cerca de 1hora e 1/2 ou mais depende da carne, lá está, atenção sem nunca deixar secar, se isso acontecer acrescentar água quente.
Eu costumo virar a carne a meio e envolver bem no molho, sem deixar que os legumes fiquem por baixo, para não colarem ao fundo do tacho.

Quando a carne estiver pronta retira-se do tacho e prepara-se o molho.
Para engrossar o molho acrescento uma colher de sopa de fécula de batata misturada em leite e deixo engrossar ao lume.
Pode ser enriquecido com natas ou outra das opções que referi.

Na hora de servir, deito salsa no molho e já está, prontíssimo para aprovação das bocas exigentes cá de casa.

Aqui servi com batata esmagada com salsa, feita com um pouco de leite e margarina, parece quase puré mas acaba por ter outra consistência.

Uma ideia para dias chuvosos e não só, bom apetite!
by me. 27161

Lovely food

Makes the true heart of the kitchen!
by me. 26912

Fruta e chocolate para derreter

Para partilhar apenas uma sugestão...muito chocolate!

Para um molho de chocolate bem simples, basta derreter uma tablete de chocolate, podendo-lhe acrescentandar um pouco de leite de modo a conseguir a consistência pretendida.

Outras versões podem ser criadas, com whiskie ou nata...o que a vossa imaginação criar no momento.

by me. 26818

Papelote de Salmão com molho Teriyaki

Depois de várias vezes andar a ler os molhos japoneses que existem na prateleira do supermercado, lá me decidi por este Teriyaki e não me arrependi.

Tenho-o usado em várias opções, massas, carnes brancas, legumes salteados e peixe fresco cozinhado em papelote.
Resumindo, fiquei cliente do pacotinho de molho, que tem por base o molho de soja, saké ou vinagre de arroz-mirin, açúcar mascavado, que pode ser elaborado em casa, num tacho ao lume e criando este molho espesso meio acre e doce, que me agrada bastante, basta-nos procurar uma receita com as quantidades certas, existem ainda algumas variantes com gengibre ou alho.

Desta vez foi o Salmão, que já servi com Taglatelli de espinafre fresco e funciona como um excelente acompanhamento e uma agradável surpresa, mas o arroz basmati ou agulha também são boas opções.

Para este salmão em papelote;
. posta de Salmão fresco 450gr . 1 colher de café de raspa de limão . sumo 1/4 de limão pequeno . 1/2 colher de café de gengibre ralado fresco . 1 colher de café de pimento vermelho picado depois de descascado e limpo de sementes e partes brancas . 2 colheres de sopa de cenoura ralada . sal . pimenta . salsa picada q.b. . molho teriayki 5 colheres de sopa . 1 colher de chá de manteiga

Numa folha de alumínio, coloca-se um pouco de manteiga ou azeite se preferirem, para engordurar o papel.
Envolve-se a posta de salmão fresco, agora denominado selvagem, com os temperos sal, pimenta, sumo de limão, gengibre ralado, a raspa de limão, e os legumes o pimento picado e a cenoura ralada e coloca-se na folha deita-se por cima a salsa picada e o molho teriayki, fecha-se a folha e coloca-se no forno médio cerca de 180º por 10 minutos, isto depende da altura da posta, mas com cerca de 2cm em forno eléctrico é o suficiente para que fique cozinhado e suculento.

Para não ficar demasiado líquida a concentração dos sucos no fundo do papelote, polvilho com 1 colher de café de farinha maizena ou fécula de batata.

Servi com salada de alfaces e arroz basmati e lá foi um teriyaki...sayonara! ;)

by me. 26275

Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin