A todo o vapor...2010

Esta cozinha não morreu, está atarefada com a época, ao vivo, a cores entre sabores!

Houve e ainda há muita mão de obra na cozinha para ser servida, logo, logo deixo as receitas que me passaram pela mão ou pela cabeça, entre azevias de grão com amêndoa, tiramisu, roti de pato recheado com frutos secos... lá se compôs em aromas uma sinfonia de paladares à minha mesa nesta época de estar sempre com mesa posta!

Deixo aqui os votos para um bom ano, neste cantinho pelo menos cheio de aromas e sentidos novos, que espero continuar a preencher.

Feliz ano Novo!
by me.

Bom Natal

Um Natal cheio de coisas boas à mesa e fora dela! :)
by me.

rolo de massa folhada com espinafres e queijo


ingredientes:
500 g de espinafres
200 g de queijo (chèvre ou ilha, mas pouco curado)
massa folhada (rectangular e grande)
100 g de passas
100 g de amêndoas torradas e picadas
100 g de nozes picadas
azeite, qb
dois dentes de alho

salteie os espinafres em azeite e alho até estarem cozinhados. tempere com pimenta e sal. deixe arrefecer um pouco e e espalhe-os, ao centro, por cima da massa folhada.

cubra os espinafres com o queijo ralado, depois as amêndoas, passas e nozes.
enrole a massa e cole-a com um pouco de água.

por fim, pencele o rolo com gema de ovo.
leve ao forno até que a massa folhada fique dourada.

acompanhamento:
7 tomates maduros
azeite qb
2 dentes de alho
folhas de mangericão, qb

corte os tomates aos cubos e escorra-os. salteie-os em azeite e alho só para que aqueçam. tempere com pimenta moida e flor de sal. no final envolva-os em mangericão.

digo-vos: é maravilhoso! e fácil de fazer.
enjoy ;)

bolo de cenoura nevado


(10 pessoas)
ingredientes para o bolo:
285 g de manteiga
285 g de açúcar amarelo
170 g de farinha com fermento
285 g de cenouras
5 ovos
1 laranja
1 colher de café de fermento
175 g de nozes picadas
115 g de amêndoas raladas
1 colher de chá de canela moída
1 pitada de noz moscada moída
1 pitada de cravinho moído
1/2 colher de gengibre ralado
sal qb

ingredientes para a cobertura
85 g de açúcar em pó
225g de queijo creme
115 g de queijo mascarpone
2 limas

pré aquecer o forno a 180º.
bater o açúcar e a manteiga até ficar uma massa branca e fofa. adicionar as gemas, uma de cada vez, e no fim a raspa e o sumo da laranja.
à parte juntar a farinha, fermento, 2/3 das nozes grosseiramente picadas, as amêndoas raladas, o cravinho, noz moscada, gengibre e a cenoura. misturar tudo e acrescentar ao preparado anterios, mexendo sempre.
bater as claras em castelo com uma pitada de sal. por fim envolve-las no preparado anterior. verter o preparado numa forma de bolo inglês previamente untada e enfarinhada. levar ao forno durante 40 minutos. retirar e deixar arrefecer um pouco. desenformar.

numa tijela misturar o mascarpone com o queijo creme, o açúcar em pó e a raspa e sumo das limas. reservar no frio.

um pouco antes de ser servido o bolo (ainda meio morno) , espalhe o preparado anterior toscamente e generosamente por cima dele. termine salpicando-o com as restantes nozes.

©

Bacalhau com broa

Com broa ou coroa ele é mesmo o rei da mesa de Natal!

Muitas casas fogem da tradição e fazem outras receitas de bacalhau para a ceia, por isso lembrei-me de vos deixar esta que também faz parte do meu cardápio.

Ingredientes para esta receita:

. 1 kg bacalhau . 1+½ l leite . cerca de 600 g miolo de broa . 75/100 g banha . 3 ovos inteiros . 1 ramo de coentros cerca de24 pés . 12 dentes de alho . 1 colher de chá de sal fino . 1 colher de café de pimenta moída . 2 cebolas grandes . 4,5 dl azeite, com o mínimo de acidez . 1 folha de louro

Demolha-se o bacalhau durante pelos menos 24 horas, mudando a água 3 vezes. Ao fim desse tempo, põe-se em leite mais umas 8 horas.

Se o bacalhau não for muito grosso, pode estar menos tempo a dessalgar.

Leva-se a cozer no próprio leite em que esteve de molho. Depois de cozido, limpa-se de peles e espinhas e faz-se em lascas.

À parte, tira-se a côdea à broa e esfarela-se o miolo juntamente com a banha, os ovos, os coentros e 8 dentes de alhos, o sal fino e a pimenta isto tudo dentro de um multi-robot de cozinha, se a massa estiver demasiado seca acrescentar azeite até obter uma pasta moldável.

Picam-se as cebolas e o resto dos alhos para dentro de um tacho e põe-se ao lume com cerca de 1 dl de azeite e a folha de louro.
Eu costumo em vez de usar apenas azeite fazer uma mistura de azeite e margarina, mas é apenas uma opção minha.
Quando a cebola começar a alourar, junta-se o bacalhau em lascas e mexe-se com a colher de cozinha para envolver todos os ingredientes sem quebrar em demasiado o bacalhau.
Quando seca em demasia, pode ser acrescentado um pouco do leite da cozedura, por fim rectifica-se os temperos.

Num recipiente rectangular ou oval, que possa ir ao forno e à mesa, faz-se um rolo com o bacalhau no centro do tabuleiro.

Cobre-se com a pasta de broa amassada e com uma espessura de aproximadamente 1 cm moldando-a de forma a cobrir a mistura de bacalhau toda e de forma apertar bem.

Rega-se com o resto do azeite e vai a forno aquecido a 180º, para assar a broa e tomar alguma cor.
Serve-se bem quente e pode ser acompanhado com batatas assadas a murro ou cozidas e grelos cozidos ou salteados ou ainda a tradicional couve portuguesa.

Bom apetite... boas receitas! :)
by me.

Salada de brócolos com frango e avelãs

As saladas de inverno querem-se quentes! E hoje, está um frio...

Esta é a sugestão que deixo, um prato pouco calórico bem certo, mas com sabor e alma.

Tem como opções os molhos que lhe conferem ou acrescentam gostos e aromas diferentes podendo ir de uma vinagrete simples ou de limão ou um molho especial à base de citrinos.

Para esta salada a porpoção é de:
. 100gr frango, já cozido ou assado . brócolos 100 gr . avelãs a gosto . 2 rabanetes

Vinagrete ou molho de citrinos para temperar
. sal . azeite . pimenta moída q.b . vinagre ou sumo de limão . 1/2 copo de sumo de laranja

E como sempre digo, temos a salada feita, a descrição dos ingredientes que as compõem dizem logo o que são.

Cozem-se os brócolos ao vapor de modo a ficarem 'al dente'.
Desfia-se o frango ou corta-se em cubos pequenos, como se preferir.

Numa taça mistura-se o frango os brócolos, os rabanetes cortados em rodelas finas e as avelãs cortadas ao meio ou inteiras.

Para temperar, um vinagrete simples, azeite vinagre sal e pimenta e ervas aromáticas a gosto como o tomilho, a salsa, o estragão, manjericão...etc., ou em vez do vinagre apenas um pouco de sumo de limão.
O molho de citrinos, é a mistura de 1/2 copo de sumo de laranja, 1 colher de chá de sumo de limão, um pouco de azeite, sal e ervas aromáticas a gosto.

Um prato quente, uma salada muito simples, mas muito saborosa!

by me.

Sopa para emagrecer

Vêm aí as festas e as suas toneladas de calorias, como resultante peso!

Como se diz na gíria '1 minuto na boca, 3 horas no estômago e uma eternidade nas coxas' , isto para o feminino.

Para repor a normalidade no organismo e reequilibrar, existe uma sopa com características que estimulam a desintoxicação e em simultâneo ajuda a perda de peso. Para isso basta substituir uma das refeições por sopa, pois de vez em quando tem mesmo de ser.

A lista de legumes que a compõe é:

. 2 cebolas . 2 tomates maduros . 1/2 couve lombarda pequena . 1 ramo de aipo . 1 beringela . 1+1/2 alho francês . 1 courgete pequena . 1 dente de alho . salsa um raminho . alecrim 1 tronco . 1 folha de louro . cerca de 1,5 l de água . sal

Lavar e cortar os legumes em pedaços pequenos, deixar alho inteiro e a cebola cortada ao meio, tapar com água e levar a cozer lentamente com a folha de louro e alecrim.

Depois de bem cozida, tirar a folha de louro e o alecrim.

Num recipiente à parte, triturar em puré com varinha mágica cerca de metade do caldo, incluindo todo o alho e a cebola e voltar acrescentar ao caldo dos legumes cortados.

Por fim temperar com sal e salsa picadinha.

Esta sopa não leva azeite, mas senão conseguirem comer sem ele ponham o menos possível e em cru apenas depois da sopa aquecida e não levar o azeite aquecer.

Fica a dica, dada por dietista é bem capaz de dar jeito! O natal não perdoa ;)

by me.

Bacalhau com espinafres, cenoura e natas

Começam os pratos de forno bem quentes, para contrariar o frio e aquecer a casa.
O bacalhau, cá está, também ele presente nesta cozinha ou não fosse ela portuguesa.

Tenho a impressão que esta minha forma de o cozinhar é uma fusão de três receitas, o Bacalhau à Brás, o com natas e o do Conde da Guarda. Passo a receita e depois me dirão.

Para este meu bacalhau:
. bacalhau cozido desfiado 400/600 gr . puré de batata Q.B. . 2 cebolas médias . 1 cenoura ralada . espinafres cozidos ± 100gr . 1 pacote de natas . margarina 100 gr . 3 dentes de alho . parmesão ralado para polvilhar . azeite . sal e pimenta Q.B.

Depois de demolhado e cozido desfia-se o bacalhau em lascas, reserva-se.

Descascam-se as cebolas e cortam-se em laminas finas, que se levam ao lume numa frigideira com um pouco de azeite e metade da margarina e ainda os dentes de alho picados mesmo grosseiramente, depois de aquecer cozinha-se um pouco a cebola de modo a torná-la macia e quase transparente.
Deita-se o bacalhau que se reservou no preparado da cebola e deixa-se refogar lentamente para que não seque, pode-se regar com um pouco de leite e/ou nata à medida que for secando.

À parte faz-se o puré de batata, quantidade suficiente para o número de comensais que para esta quantidade de ingredientes devem ser 4.
O puré deve estar um pouco seco, ao qual se vai adicionar mais ou menos 3/4 do preparado da cebola com o bacalhau já cozinhados e de seguida tritura-se com a varinha mágica juntando-lhe o pacote de natas, logo de seguida envolvem-se os espinafres cortados já cozidos e muito bem escorridos, a cenoura ralada e o restante bacalhau rectificam-se os temperos e deita-se num pirex polvilha-se com o queijo ralado ou como eu prefiro uma mistura de queijo e pão ralado ou somente com pão ralado e leva-se a dourar ao forno.

Serve-se assim bem quentinho, com cenoura ralada.

Este ficou muito tempo no forno e secou...mas desapareceu na mesma :)
by me.

Brigadeiros

- Mana faz-me aquelas bolinhas de chocolate.
- Não posso fazer, não tenho farripinhas de chocolate para pôr.
- Não faz mal, pões numa taça eu como com uma colher...

Esta é a conversa, que me lembro sempre com um grande sorriso como é óbvio.

O meu irmão mais novo quando era pequeno a pedir-me coisas boas de chocolate, agora é a minha pequenada a querer fazer, gostos que não mudam.

A proporção que uso para fazer estas 'patentes' de chocolate é:

. 1 lata de leite condensado . 4 colheres de sopa de cacau . 1 colher de sopa rasa de manteiga . chocolate granulado . óleo para untar a taça

Levar ao lume, o leite condensado com o cacau já misturado e a manteiga. Mexendo sempre em lume médio baixo até obter um ponto estrada forte.

Verte-se numa taça previamente untada com o óleo e deixa-se arrefecer.
Formam-se as bolinhas com uma pequena porção desta pasta e passa-se pelo granulado de chocolate.

Podem ser feitas variantes, como rechear com uma ginja ou com fruto secos, assim como para envolver também pode ser chocolate em pó coco ralado...as eternas mudanças possíveis na cozinha.

Aqui fica mais uma gulodice de chocolate para o fim de semana. :)

by me.

Massa quebrada doce

Como já mencionei tantas vezes esta base de massa, a última delas nas tarteletes de uva, hoje decidi publica-la.

E é mesmo assim ingredientes ao molho para dentro de uma taça e 'plim' mãos na massa e saiu uma base para mil e uma receitas, bem tem alguns cuidados pelo meio.

Para forrar uma tarteira:
. 150 gr de farinha . 60 gr de margarina . 100 gr de açúcar . 2 colheres de sopa de água fria . 1 pitada de sal

Misturam-se todos numa taça a farinha, o açúcar, o sal, a margarina á temperatura ambiente ou seja amolecida, e começa-se a envolver com as mãos acrescentando de vez em quanto algumas gotas da água, até obter uma pasta com alguma consistência.

Deixa-se repousar tapada com pano molhado e em sítio fresco ou arejado durante pelo menos 1hora.

Deita-se farinha na mesa de trabalho e coloca-se a massa estendendo-a até à espessura pretendida.

Forra-se a forma e pica-se com o garfo para não levantar bolhas na massa, e deita-se legumes secos por cima para se manter uniforme, leva-se ao forno a assar numa temperatura de 200º.

Depois é só rechear com aquilo que se pretender.
Esta é a versão doce e apenas uma versão!

by me.

Lombo de porco assado com laranja, alecrim e mostarda

Porque além das castanhas o porco também gosta de maças ou de frutos vermelhos...e das laranjas.

A companhia das laranjas nesta carne é sempre bem vinda, ligam na perfeição. Penso que seja um gosto bem português, toda a gente tem uma receita para este assado, um prato simples do nosso dia a dia, por isso pensei em deixar a minha, porque a mencionei quando falei do puré de castanhas.

Para um lombo assado é preciso;
Um forno... :)
e mais uns pequenos detalhes:
. 1 kg de carne do lombo (eu gosto dela limpa) . 6 dentes de alho . azeite cerca de 4 colheres de sopa . 1 colher de sopa bem cheia de mostarda de Dijon . 100gr de margarina . sal Q.B. . pimenta moída na hora Q.B. . Sumo de 3 laranjas . 1/2 dl de Vinho do Porto ou uma aguardente . 1 colher de sopa de mel . 2 colheres de café de fécula de batata (para engrossar o molho) . 1 pé de alecrim fresco

Começa-se por arranjar os temperos, dilui-se a mostarda no azeite juntamente com o sal, a pimenta moída e acrescentam-se os alhos descascados e esmagados.
Esfrega-se a carne com esta massa e deixa-se repousar durante uma a duas horas no frio, para que os sabores sejam assimilados pela carne.

Aquece-se o forno, a temperatura média cerca de 180º, rega-se a carne com o mel a fio e coloca-se pequenos pedaços da manteiga por cima, deita-se o vinho do porto e o alecrim no fundo e leva-se a carne a assar durante uma hora ou mais, até que esteja bem passado sem deixar secar ou queimar, molhando de vez em quando com os sucos que se depositaram o tabuleiro e com o sumo das laranjas que se reservaram cá fora.

Depois de assado, retira-se a carne do forno e do tabuleiro e prepara-se o molho.

Leva-se o tabuleiro ao lume, onde se acrescenta um pouco de água onde se desfez a fécula de batata e verte-se no tabuleiro, deixa-se engrossar, se ficar demasiado espesso acrescenta-se um pouco mais de água.
Pode ser acrescentado um pouco mais de vinho do porto, mas tendo o cuidado de deixar ferver um pouco para perder o grau de alcool.

Coa-se o molho por passador de rede fina ou por um chinês e reserva-se.

Este lombo pode ser servido quente ao frio, mas nesta época do ano sabe bem quentinho com o molho por cima acompanhado com gomos de laranja e com outro qualquer hidrato a gosto!

Um lombo e laranja, para o frio!

by me.

Salame de chocolate

Continuo com as receitas da pequenada...hoje o salame de chocolate.
Penso que toda a gente o fez, depois passa de moda e lá se vai a receita.

Como tive de a procurar, ainda estava no livro da avó, vou deixar aqui esta minha versão.

. 1 pacote de bolacha maria partida . 100 gr de manteiga sem sal . 125gr de chocolate em pó . 1 ovo inteiro . 80 gr de açúcar amarelo . 4/6 quadradinhos de chocolate amargo

Coloco numa taça a manteiga juntamente com o açúcar, os quadradinhos de chocolate amargo partido e o chocolate em pó, levo tudo ao micro ondas para derreter.
De seguida mistura-se tudo criando uma pasta homogénea, por último acrescento as bolachas partidas grosseiramente e o ovo inteiro.

Mãos na massa a parte preferida da pequena, ficam as mãos para lamber e as caras sujas e a roupa!!!

Depois de amassado sem grande preceito, verter sobre um papel vegetal de modo a criar um rolo.
Leva-se ao congelador, isto porque gosto dele assim bem frio e gelado e assim passou para os comedores vorazes lá de casa.

Por vezes sirvo laminas deste salame com 'sopa' de morangos, mas chocolate com morango é outro casamento feito no céu e na boca ou será no céu da boca!? :)

by me.

Puré de beringela


Outro acompanhamento à base de legumes mas um pouco mais elaborado.

Eu que até fui renitente em provar um puré de beringela com caviar...
Mas assumi na hora que de facto era muito bom e a verdade é que agora este vegetal faz parte do cardápio lá de casa de várias formas e feitios, a cozinha que nos molda e adapta os sabores.

Para executar este puré:
. 300 gr de beringela . 1 cebolinho . 1 tomate . 1 dente de alho . sumo de limão ou vinagre . sal . mistura de pimentas moídas na hora

Lavam-se as beringelas cortam-se ao meio no sentido longitudinal e colocam-se num tabuleiro previamente untado com azeite junto e com o tomate cortado ao meio e limpo de sementes, assa num forno médio 180º durante cerca de 30 minutos.

O cebolinho deve ser cortado em rodelas finas e passado por manteiga numa frigideira de forma a amolecer e não queimar e reserva-se.

Depois do assado pronto, retira-se a polpa dos legumes, do tomate e da beringela e trituram-se num copo liquidificador juntamente com o dente de alho e com as rodelas de cebolinho amaciadas, tempera-se com um pouco de sal marinho.

Depois de obtido um puré macio adiciona-se por último o sumo de limão ou o vinagre a gosto, verte-se na taça de servir e polvilha-se com a mistura de pimentas moída na hora.

Serve-se quente, é um bom acompanhamento para carnes vermelhas.

Para servir como entrada quente, colocar um pouco de caviar por cima... foi assim que me foi servido, agarro a sugestão e sem dúvida um apontamento luxuoso para a beringela e para um dia de festa.

Bom apetite :)

by me.

fondant de chocolate



200 g chocolate negro (70% cacau)

150 g manteiga

150 g açúcar

50 g. farinha

5 ovos

bate-se a manteiga com o açúcar até obter um creme esbranquiçado. juntam-se as gemas e o chocolate derretido e continua-se a bater. entretanto, batem-se as claras em castelo, adiciona-se ao preparado anterior e, por fim, a farinha, peneirada. unta-se uma forma das que sai o fundo com manteiga e polvilha-se com farinha. deita-se o preparado na forma e leva-se ao forno previamente aquecido ( 200º ) durante 10 a 12 minutos. eu ponho só 10/11 minutos para que o bolo fique meio cru.

pode e deve ser servido quente com uma bola de gelado ou apenas com natas frescas, ligeiramente batidas.

é este o meu bolo de chocolate. espero que gostem. :)

©

Bolo de bolacha com coco e whisky

Um bolo para mais crescidos, mas sempre o comi em pequena... é só moderar a quantidade de álcool.

Uma receita tirada do meu baú de memórias, são as receitas fáceis para por a pequenada a ganhar gosto pela cozinha e participarem na confecção das mesmas e claro o gosto deles, o bolo de bolacha é sempre uma sobremesa de agrado!

Para esta receita é preciso:

. 1 pacote de Bolacha Maria . 200 g de manteiga (eu misturo 1/2 com sal e a outra 1/2 sem sal) . 100 g de açúcar amarelo (ou em pó) . 3 gemas de ovo . 1 clara de ovo . 4 colheres de whisky . 1 a 2 chávenas de café forte . Coco ralado 4 colheres de sopa para o creme de manteiga+ um pouco para polvilhar

Começa-se por preparar o creme de manteiga com coco.
Bate-se numa taça a manteiga, que deve estar à temperatura ambiente, com o açúcar durante um pouco, acrescentam-se as gemas uma a uma e continua-se a bater até obter um creme homogéneo fofo e macio. Por último adiciona-se o coco ralado e 2 das colheres de whisky.

Entretanto preparou-se o café forte que se deixar arrefecer até estar mesmo frio, isto para que as bolachas não fiquem demasiado moles e se desfaçam.

Agora é só montar o bolo, eu costumo fazer em tronco tipo torta, com ajuda de um suporte base, geralmente um tupperware onde vou encostando as bolachas a um dos lados, para que não se desmanche a forma que lhe quero dar, mas pode ser montada por camadas talvez seja preciso o dobro da quantidade dada nesta receita.

Mergulham-se as bolachas de modo a não ficarem desfeitas no café, uma a uma e alternadamente coloca-se um pouco do creme de manteiga de coco entre elas, assim até acabarem.

Por último, salpica-se com um pouco de whisky e passa-se a clara de ovo pouco batida por cima (se sobrou creme de manteiga pode sempre barrar à volta.
Polvilha-se com o coco ralado a gosto, leva-se ao frio até ganhar consistência e ficar fria.

É só servir, cortando as fatias em diagonal para mostrar o efeito das camadas!
Fácil, fácil :)

by me.

Encontro com o Vinho/Encontro com os Sabores 09

Este fim de semana está carregado de paladares, este evento relaciona-se com o universo de Baco, mas geralmente vem sempre muito bem acompanhado!!!

Ainda a tempo, apesar de ter começado ontem dia 13 está até segunda feira dia 16, a decorrer no Centro de Congressos de Lisboa (à Junqueira- antiga FIL) o Encontro com o Vinho/Encontro com os Sabores, considerado como o maior evento dirigido aos consumidores na área de vinhos e gastronomia, quem o organiza é A Revista de Vinhos.

Reúne os melhores produtores de vinhos nacionais e alguns de produtos gourmet, que expõem e oferecem para degustação aos visitantes que assim contactam directamente com os produtores, fazem perguntas, trocam opiniões, etc.

Um programa agradável para um dia cinzento, com muito aroma e sabor. Acho que sei quem lá estará ;)

horário:
13 Novembro (6ª feira) 18h / 22h
14 e 15 Novembro (Sábado e Domingo) 14h / 20h
16 Novembro (2ª feira) – Profissionais 11h / 18h

Espreitem...*aqui
by me.

Doces Conventuais 2009


Entre hoje dia 12 e dia 15 em Alcobaça, exposição de doces medievais oriundos das cozinhas dos mosteiros e conventos, das 10h30 às 23h00 (Dia 15 encerra até às 21h00)

Inicialmente no segredo dos deuses hoje estas delícias podem ser degustadas na Mostra Internacional de Doces Conventuais, pelo XI ano consecutivo, Alcobaça e o Mosteiro de Santa Maria, são o palco de gula.
Entrada custa 1 euro, as provas custam uns quilos a mais!!!

by me.

Puré de castanhas

Castanhas, é dia delas ou do São Martinho não podia deixar de escrever sobre elas.

Mais um sabor de outono, quando era pequena dizia que era o sabor da cor castanha. Eu adoro-as assadas, cozidas, piladas, em calda 'marron glacé', em purés que acompanham carnes, como caça, nas perdizes, no coelho, em lombo de porco assado, como recheio de perú...

Para simplificar o dia, hoje é um puré simples que serve mesmo para acompanhar lombo de porco assado com sumo de laranja, digo-o porque é o que eu vou fazer para jantar!

Para fazer este puré:
. 750 gr castanha (eu uso a congelada) . 3,75 dl de leite . 25g de manteiga .50 gr de crème fraîche . sal e pimenta moída na hora

Começa-se por cozer as castanhas no leite com um pouco de sal em lume baixo, até ficarem tenras.
Escorrem-se as castanhas e reserva-se o leite, esmagam-se as castanhas ou passam-se pelo passevite, adicionando de vez em quando um pouco de leite.

Acrescenta-se a manteiga e o crème fraîche até obter uma mistura homogénea, se necessário adicionar um pouco mais de leite para obter a consistência desejada.

Por fim verifica-se o sal e acrescenta-se a pimenta moída na hora.

É só servir... a acompanhar pratos de carne!

by me.

Dia de aniversário!

O chefe desta cozinha faz anos deixo aqui o bolo que lhe fiz, uma receita secreta!!!

Espero que gostes é caseiro... :)

Parabéns

Torta enrolada de laranja

E porque me fui eu lembrar da laranja em forma de torta enrolada muito doce e húmida...

Como a minha avó fazia, como a minha mãe ainda faz e como eu a reproduzo, uma receita bem clássica daquelas que andam pelos cadernos amarelecidos das gavetas de cozinha.

Bem, já começou a arrefecer estamos em Novembro e começam aparecer os doces que se costumam ver nas tradicionais mesas de natal, talvez também por isso... ou talvez porque precise de vitamina C para compensar, ou para afugentar gripes ou constipações ou outras coisas acabadas em 'ões' que andem por perto! :)

Bem para este clássico enrolar;

. 1 laranja . 1 copo de sumo 2 dl . 250 gr de açúcar . 1 colher de sobremesa rasa de farinha maizena . 6 ovos (açúcar mascavado ou outro para polvilhar)

Numa tigela misturam-se os ovos inteiros com o açúcar sem bater.
De seguida adiciona-se a raspa da laranja (1) e o copo de sumo, onde se desfez a maizena.

Deita-se o preparado anterior numa forma rectangular forrada a papel vegetal e untada com margarina e polvilhada com açúcar mascavado ou o branco se não tiverem.

Leva-se a assar em forno brando, cerca de 20 minutos sensivelmente, também depende da dimensão da forma o que fará variar a altura da massa.

Depois de cozida, vira-se sobre um pano húmido polvilhado com açúcar.
Enrola-se lentamente e já está uma torta de laranja fenomenal... que nunca deixa ninguém mal visto e é tão simples de fazer, coisas da minha saudosa avó.
:)
by me.

Penne com aromas do mediterrâneo

Pratos de massa, são saborosos, saciam a fome e rapidamente se põem na mesa, pois os dias estão cada vez mais curtos, e não é por causa das horas de sol apenas...

Para esta receita e todas as 'pastas' é preciso ter em atenção a qualidade do tomate pois para mim ele é mesmo a alma de todas as massas, diga-se de passagem.
Penso que não poderia haver melhor casamento culinário que este, qualquer que seja o formato de massa se for apenas servida com um bom molho de tomate e algumas folhas de manjericão temos um prato de mestre de cozinha sem grandes elaborações de um chefe gourmet à nossa mesa e isso é fantástico conseguir com tão poucos ingredientes.

Mas para este prato será preciso ter algum tempo e mais umas coisitas como:

. 400 gr de Penne . molho de tomate q.b . 1 dente de alho picado . 4 tomates médios . 1 cebola pequena picada . 1 a 2 anchovas enlatadas picada . 1 colher de chá de azeitonas pretas picadas . 1 colher de chá de chili picado . 1 raminho de manjericão . queijo parmesão ralado na hora 1 a 2 colheres . sal . pimenta

Fritam-se num pouco de azeite quente o alho, a cebola, a(s) anchova(s), as azeitonas e o chili. Assim que esta mistura estiver cozinhada adiciona-se o molho de tomate fresco cerca de 6 colheres de sopa depende se estiver muito espesso ou não.
Deixa-se cozer alguns minutos, mexendo sempre.

Entretanto cozem em bastante água com sal o penne 'al dente'. Escorre-se bem, e fritam-se no molho anterior adicionando o queijo parmesão e o manjericão.

Servir nos pratos com salpicos do molho de tomate, folha de manjericão e azeitonas.

Para os mais experientes, podem sempre elaborar a apresentação, servindo a massa dentro de tomates esvaziados.
Para isso devem escaldar o tomate durante uns instantes, retirar da água e deixar arrefecer.
Cortar o topo e escavar o interior, retirando o recheio, a polpa e as pevides, depois é só rechear com a massa e servir.

I buono e bello piatti, sono serviti? ;)
by me.

Arroz basmati com legumes e especiarias

Está a começar arrefecer e assim começa apetecer pratos mais quentes e calóricos, para isso nada melhor que um arroz não muito pesado, é preciso trabalhar e com o 'badulhinnho' muito cheio já não apetece é fazer mesmo nada.
Mas este arroz é uma opção de um prato rico em aromas e sabores,

Assim são precisos:

. 2 medidas de arroz basmati cerca de 250gr . 1 cenoura média . +-100gr de feijão verde . 1 colher de sopa de gengibre picado . um pouco de açafrão . coentros e salsa picados q.b. . azeite +-2 colheres de sopa . 4 dentes de alho picados . sal . 1 colher de chá de pimentão picante em pó

Cortam-se as cenouras e os feijões verdes em tirinhas ou em bocadinhos pequenos e reservam-se.
De seguida mistura-se o gengibre picado com os coentros picados e o açafrão e reserva-se também.

Coloca-se um pouco de azeite numa frigideira com fundo que não pegue, deitam-se os alhos já picados e o pimentão vermelho em pó e deixa-se amolecer o alho em lume moderado para não deixar torrar em demasiado.
De seguida acrescentam-se as especiarias, o gengibre, os coentros o açafrão e o arroz, deixa-se ao lume até o arroz ganhar um pouco de tom translúcido .
Por último adicionam-se os legumes cortados, coloca-se o dobro da água em relação à medida do arroz, tempera-se com o sal, tapa-se e deixa-se cozer em lume baixo.

Antes de estar completamente seco desliga-se o lume e deixa-se que seque sózinho de modo a fazer um arroz solto.

Ao servir coloca-se um pouco de salsa picada por cima a gosto.
Acompanha bem uma carne ou um peixe ou para o compor acrescentar tirinhas de fiambre ou até se come sózinho...versão vegi! :)

Bon Appétit!

by me.

Salada de abóbora com agrião, nozes e pinhão

Por se falar nas abóboras segundo costumes alheios, lembrei-me da salada de hoje.

Outro sabor de outono, isso é bem certo aliás considerado um fruto em termos botânicos apesar de ser visto por nós como um produto da horta.
Um óptimo aliado das dietas, baixo em valor energético, pobre em hidratos de carbono, proteínas por exemplo, além de um excelente antioxidante, rico em vitaminas E e C ou não fosse a sua cor alaranjada e rico em minerais.

Na culinária serve para muitos pratos a polpa é usada para doces, salgados, fritos assados ou cozidos, as pevides secam-se para petiscos e as flores menos usadas já que no mercado urbano é difícil tê-las podem ser fritas em pome e servem também para decorar os pratos Gourmet.

Mas para esta salada de outono, que a conversa já vai extensa são precisos:

. 1 molho de agrião . 400 gr de abóbora descascada e limpa de pevides . 1 dente de alho . manjericão seco . +- 1 colher de sopa de salsa picada . 1 courgette pequena . pinhões . nozes . 1 colher de sopa de sumo de limão . 1 colher de sopa de sumo de laranja . azeite . sal e pimenta q.b

Lava-se e corta-se a courgette em fatias com meio centímetro de espessura, polvilha-se com sal.
Corta-se a abóbora em palitos finos, tipo batatas fritas.
Reservam-se os legumes.

Entretanto esmaga-se o alho, junta-se um pouco de azeite 2 colheres de sopa, o manjericão e a salsa picadinha.
Numa taça coloca-se a courgette e abóbora e rega-se com o tempero anterior envolvendo tudo muito bem, aquece-se a chapa e põem-se a grelhar cerca de 10 minutos em lume não muito forte até ficarem um pouco douradas.

Enquanto isso, faz-se o resto da salada com os agriões misturados com o sumo do limão e da laranja e um pouco mais de azeite, a pimenta e sal se for necessário.

Deitam-se os legumes grelhados sobre os agriões e acrescentam-se por último um pouco dos frutos secos as nozes e os pinhões ou outros ao vosso gosto.

E assim temos uma salada tépida feita com legumes/frutos do outono.
Como continua o calor sabe bem tê-la como prato de refeição... bem, isto digo eu que como muitos vegetais, desacompanhados de carne ou peixe. :)

Bom apetite!
by me.

Guacamole

Uma entrada muito comum nos nossos dias apesar de 'venir de mui lejos' e fácil, fácil de fazer, um toque exótico à mesa.

Para esta pastinha verde:
. 2 abacates maduros . 1 chili serrano sem as sementes e peles . 1/2 tomate cortado aos cubinhos pequenos . 1/4 de cebola roxa média . 1 dente de alho . sal q.b . pimenta preta moída na hora . sumo de lima ou limão q.b . 1 colher de sopa de coentros picados

Lavam-se os abacates cortam-se ao meio e tiram-se os caroços, com a ajuda de uma colher retira-se a polpa para um recipiente.
Vai-se esmagando esta polpa com um garfo de modo a criar um puré com alguma textura.

Entretanto pica-se a cebola e esmaga-se o alho muito bem corta-se o pimento em pedaços muito pequenos acrescentam-se ao puré assim como o sumo da lima ou limão, envolve-se tudo muito bem e tempera-se com sal e a pimenta moída, por último deitam-se os coentros picados.
Verte-se numa taça de levar à mesa, deixa-se repousar um pouco, mesmo no frio de modo que os aromas se envolvam.

Na hora de servir colocar noutro prato as tirinhas de milho próprias deste prato, que existem à venda, e já está.

Um sabor da terra dos grandes sombreros! Olée
by me.

Doce de requeijão e amêndoas

Um doce/pudim de colher com sabor de requeijão.

Eu gosto muito destes pudins texturados ou bolos húmidos e o queijo é um óptimo aliado neste tipo de doces, mais ainda quando incluem frutos secos, neste caso as amêndoas.

Para confeccionar este doce:
. 250 gr de requeijão (1) . 125 gr de e amêndoas . 250 gr de açúcar . 5 gemas

Começa-se por escaldar e pelar as amêndoas, trituram-se de modo a obter um miolo fino mas não em pó.
Leva-se o açúcar ao lume com muito pouca água e faz-se uma calda até obter o ponto cabelo, retira-se do lume e adiciona-se o miolo de amêndoa e o requeijão já esfarelado, misturando-os muito bem com a batedeira.

Volta ao lume deixando ferver lentamente, batendo de vez em quando com a batedeira de varas e assim que engrossar retira-se do lume.

Juntam-se as gemas rapidamente, mexendo bem até estarem bem envolvidas, deita-se a mistura num prato ou travessa de forno e deixa-se repousar um pouco.

Entretanto aquece-se o forno médio 200º e leva-se a assar até tostar a cobertura de maneira a que fique bem dourada, o que demora cerca de 10 minutos.

Podem salpicar por cima com um pouco de miolo de amêndoa laminado.

Retira-se do forno e deixa-se arrefecer sem desenformar, pois tem a consistência de um pudim que se corta em fatias.

Bons lanches !!! :)
by me.

Tarteletes de uva com iogurte e requeijão

Mais um sabor do outono, as uvas.
Esta tarte é muito simples e um complemento para os olhos, com uvas brancas ou vermelhas ou a mistura das duas, temos sempre uma imagem refrescante e atractiva.

Esta sobremesa acaba por ser rápida e fácil de preparar, isto se partimos das bases de massa de tarte quebrada já preparadas e à venda nos supermercados. Além disso temos igualmente um cariz saudável, se optarmos por queijos menos gordos.

Para três tarteletes com cerca de 9 cm de diâmetro ou uma tarte grande:

Massa:
. 1 base de tarte massa quebrada (depois deixo a receita para fazer em casa)

Recheio:
. 100 ml de iogurte natural cremoso e açucarado . 150 gr de requeijão . açúcar amarelo(facultativo)

Cobertura:
. 150 gr de uvas cortadas ao meio e sem grainhas . sumo de 1 laranja pequena . 100 ml de mel . amêndoas laminadas ou pistácios partidos (facultativo)

Começa-se por forrar com a massa as formas ou forma de tarte previamente untadas com óleo, pica-se o fundo com o garfo e coloca-se papel vegetal e uns feijões secos para fazerem peso e não levantar bolhas de ar enquanto assa, o que deixaria altos na base da tarte.

Leva-se a assar a forno já aquecido a 200º cerca de 10 minutos, retiram-se os feijões e o papel e volta para o forno para terminar de cozer cerca de mais 5 minutos.
Depois de estar cozida e com um tom dourada, desenforma-se e deixa-se arrefecer bem.

Lavam-se, enxugam-se e cortam-se as uvas ao meio, retirando-lhes as grainhas, reservam-se.

Entretanto prepara-se o recheio, mistura-se bem o iogurte com o requeijão, eu gosto de colocar duas colheres de açúcar amarelo neste creme, caso não se use iogurte açucarado por exemplo ou o requeijão tenha acentuado a acidez, é uma questão de gosto.

Despeja-se o creme na base de tarte ou nas pequenas tarteletes e colocam-se as uvas cortadas por cima.

Num tacho, leva-se ao lume médio o sumo da laranja e o mel até ganhar algum ponto de calda,
depois de arrefecer deita-se sobre as tartes levam-se ao frio.

Na hora de servir espalham-se as amêndoas laminadas ligeiramente torradas ou os pistácios.

O requeijão pode ser substituído por outro queijo pasta como o Ricotta ou mesmo o Mascarpone.

Aqui ficam as uvas, desta vez não em néctar para beber mas sim um doce para mastigar!

by me.

Pão de queijo

Para quem conseguir resistir a não os comer logo que saem do forno é uma sugestão para abrir o apetite num jantar.

Esta herança brasileira, já chegou há uns tempos por cá, também é possível adquiri-los em massa pré confeccionada e congelada e fazer na hora, mas para quem gosta de cozinhar e colocar o seu 'quê' na receita é partir da base e criar a massa de cada casa.

Para fazer estes pequenos pães:
. 3 ovos . 1 chávena de óleo . 1 chávena de leite . 3 chávenas de polvilho doce ou amargo ou uma mistura 1/2 de cada (á venda nos supermercados) . 100 gr de queijo mozarella ou emmental (dá-lhe um sabor mais acentuado) em pedaços . 1 batata grande cozida

E agora fácil é mesmo preparar a massa, já que basta colocar todos os ingredientes dentro de um copo de batidos ou um processador de comida, chamado robot de cozinha e bater durante 2 minutos.

Verte-se a massa em pequenas formas untadas com óleo e leva-se a cozer em lume médio 200ºc cerca de 30 minutos ou até ficarem ligeiramente douradas.

Desenformam-se e estão prontos a comer... bem, é melhor deixar arrefecer um pouco! :)

by me.

Tabela conversão - margarina . azeite

Esta dica foi-me ensinada à bastante tempo e está no meu livrinho manuscrito de cozinha.

A margarina usada na massa dos bolos por exemplo, pode ser substituída por azeite para isso existe uma tabela de conversão de quantidades a ter em conta.

Margarina ......... . . ..... ............. . ......Azeite
1 colher de chá. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3/4 de colher de chá
1 colher de sopa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2+ 1/4 colher de sopa
2 colheres de sopa. . . . . . . . . . . . . . . . . . 1+ 1/4 colher de sopa
1/4 chávena. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 colheres de sopa
1/3 chávena . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1/4 chávena
1/2 chávena. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1/4 chávena + 2 colheres de sopa
2/3 chávena. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1/2 chávena
3/4 chávena. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1/2 chávena + 1 colher de sopa
1 chávena. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3/4 chávena

Pode ser que vos seja útil , um dia.
by me.

Recheio de mousse de chocolate

Chocolat au chocolat!
Hoje apetece-me chocolate... aqui não tem perigo, não engorda! :)

Esta mousse pode ser comida em taça individual, mas também é excelente para rechear os crepes de cacau- massa escura (clicar para ver receita) criando uns 'canudos' bem castanhos e com um recheio muito rico.

Posso dizer que é a mousse do banho-maria, já que tudo é derretido delicadamente em banho-maria.

Para esta mousse são precisos os seguintes ingredientes:

. 40 gr de miolo de noz picada . 40 gr de miolo de avelã picada . 100 gr de chocolate amargo a 70% . 50 gr de margarina . 3+2 gemas . 2 claras batidas em castelo . 100 gr de açúcar . 2,5dl e natas espessa . 1 folha de gelatina

Começa-se por preparar duas taças para banho-maria. Numa coloca-se a manteiga e o chocolate amargo a derreterem. Na outra taça batem-se as 3 gemas com o açúcar e levam a cozer lentamente igualmente em banho-maria, de forma a obter uma gemada cremosa e encorpada.

Misturam-se bem à manteiga de chocolate as 2 gemas e a folha de gelatina, depois de demolhada e escorrida.
Juntam-se os dois cremes, o do chocolate nas gemas com,incorporando-os bem adicionam-se as natas espessas (podem ser ligeiramente batidas para ganharem consistência se não forem tipo creme fraiche) e as 2 claras batidas em castelo.

Acrescentam-se por último os frutos secos picados e leva-se ao frio pelo menos 2 horas antes de rechear os crepes de cacau ou... comer à colher.

Depois de rechear os crepes enrolam-se de modo a criar uns canudos, leva-se novamente ao frio, na hora de servir polvilham-se com cacau em pó.

Et voilá, un mousse au chocolat!
by me.

Cebolinhas caramelizadas no forno

Uma receita para as cebolinhas, a mando da Dona Cebola... :)

Aqui deixo hoje uma forma de criar uma entrada diferente com cebolinhas pequenas, que são sempre muito saborosas, tenras e macias depois de confeccionadas.

Na fotografia de apresentação são servidas sobre um Pão Pita com queijo derretido, sementes de sésamo e salsa picadinha, um opção que liga muito bem em jeito de tapas ou micro pizzas.

Precisamos de:
. 24 cebolinhas pequenas . açúcar branco ou amarelo (prefiro o amarelo) . sal . pimenta em grão moída na hora . óleo ou azeite

Começa-se por retirar apenas a casca seca e estragada das cebolas, de seguida lavam-se e secam-se dando-lhe um pequeno golpe em cruz no topo.

Passam-se as cebolas pelo óleo, deixando-as bem untadas.

Aquece-se bem o forno a 200º , colocam-se as cebolas num tabuleiro , temperando-as com o sal, a pimenta e por último polvilha-se com o açúcar.

Levam-se assar cerca de 1 hora, até que fiquem louras e macias. Durante a cozedura devem ser viradas 2 , 3 ou mais vezes, sem as deixar queimar.

Além da sugestão para uma pequena entrada servem também como um bom acompanhamento de carne ou outros pratos que vos apeteça.

Bon appétit...
by me.

Arroz de frutos secos e especiarias

Um arroz que é uma festival de sabor e aroma...

Uma mistura engraçada que me foi servida num jantar de festa volante em casa de uma amiga, uma receita da mãe, que agora também aqui veio parar.

Para este arroz é preciso:
. arroz Vaporizado . azeite e/ou margarina um pouco para refogar . 1 dente de alho .1 cebola . pinhões q.b . passas brancas q.b. . sementes de sésamo e/ou mostarda q.b . . mostarda em pó (caso não tenha as sementes) ou açafrão . sal a gosto

Também se pode substituir os frutos secos e especiarias pelas misturas embaladas já existentes no supermercado.

Refoga-se a cebola ás rodelas finas com o alho partido, quando estiverem lourinhas, juntam-se os restantes ingredientes que devem fritar um pouco, quando dourados junta-se um pouco de água para amolecerem.

Depois de prontos reservam-se colocando uma tampa.

De seguida faz-se o arroz cozido simples, 1 medida arroz para 2 de água.

Depois de pronto o arroz, reaquece-se a mistura reservada.
Por fim, colocam-se por camadas na taça onde será servido, envolvendo-as bem a cada duas camadas.

Um arroz riquíssimo em sabores e calorias! :)

from Maria João
by me.

Espargos com presunto e molho holandês

Uma receita muito simples de fazer mas que preenche bem a fome e o gosto.

Para uma refeição mais consistente acrescentar a esta mistura uma massa cozida, tipo taglatelli ou outra.
Espargos verdes cozidos são a base aos quais se fazem acompanhar com presunto e o molho holandês ligeiramente tépido.

São necessários:
. espargos verdes cozidos . presunto fatias finas . molho holandês q.b. .(ainda a opção massa cozida) . azeite

Cozer os espargos depois de cozidos passar numa frigideira com azeite quente, de seguida colocar num prato juntamente com as fatias de presunto e deitar o molho holandês a gosto.


O molho holandês, é fácil de confeccionar mas é preciso ter alguma atenção à temperatura.

Para este molho é necessário:
. 200 gr de margarina . 2 gemas . sal . pimenta . sumo de 1/2 limão

Deitam-se numa tigela as gemas com um pouco de sal e pimenta a gosto com 2 colheres de sopa de água fria, mistura-se tudo muito bem, de seguida leva-se ao lume em banho-maria (que deve apenas borbulhar para não talhar) e continua-se a mexer com varas até ficar um creme espesso.

Por fim aos poucos acrescenta-se a margarina já derretida mas não muito quente, batendo sem parar.

Se o molho aquecer muito, junta-se uma colher de sopa de água fria.

Adiciona-se o sumo de meio limão, batendo sempre. Depois de pronto, o molho deve ter consistência aveludada sem ser demasiado espesso.

et voilá trés facile!
by me.

Restaurant Week . Lisboa . Porto?

Restaurant Week, já começou em Lisboa, de dia 8 a 18 de Outubro, marcar mesa é um desafio difícil.
Será que desta vez vai acontecer no Porto?
Estava previsto para os dias 21 a 31 de Outubro, estejam atentos e façam planos se acontecer.

Jackaroo . Big Red

Uma combinação de vermelho divertido e suculento. Um vinho que nasce na Austrália do Sul a partir de Uva Premium, com denominações de origem em Clare Valley, Limestone Coast e Adelaide Hills, bastante cobiçadas por sinal.
É um vinho fácil, composto por uma mistura de frutos por isso um quente e doce aroma com persistência e corpo agradável.
Um vinho para carnes ou combinação de queijos diz o manual de instruções a tardoz.

Para os entendidos ele é composto por Cabernet Sauvignon que lhe fornece a estrutura, o Shiraz que salienta o sabor das frutas picantes e o suave Merlot que acrescenta a "boca rica".
O preço é uma surpresa agradável um vinho mesmo barato, um baixo custo, estou a falar de apenas 4€. Por isso foi muito solicitado nas garrafeiras lisboetas para os eventos deste verão com os seus 14%vol, não se pode exigir mais ao produtor.

Gosto da atenção do rótulo, "Grávidas não bebem", não pelo conteúdo da mensagem, mas pelo grafismo, penso que por cá ninguém as proíbe de beber, claro com moderação tudo é naturalmente bom mas isso também é universalmente válido.
Tchim,Tchim!!!
by me.

medalhões de corvina com crosta de laranja



ingredientes
1 kg de batatas primor
8 medalhões de corvina
1 malagueta vermelha
6 fatias de pão de forma branco
raspa de 1 laranja
1 limão
1/2 chávena de salsa picada
2 molhos de espargos
sal e pimenta qb
azeite qb

preparação
aqueça o forno a 200º
tempere os medalhões de corvina com sal e sumo de limão. borrife com azeite.
corte as batatas ao meio e coloque-as num tabuleiro de forno com a parte cortada voltada para cima. borrife com azeite e tempere com sal. leve a assar durante 25 minutos.
triture o pão. misture a salsa picada, a raspa de laranja e as malaguetas picadas e sem sementes.
borrifar de novo o peixe com azeite e pressionar o preparado anterior na parte de cima dos medalhões cobrindo-os. borrife de novo com azeite e leve ao forno até que o peixe fique cozinhado. (10 minutos aproximadamente)
coza os espargos ao vapor, passe-os por água fria e escorra-os. salteie os espargos em azeite na wok, coloque-os numa travessa e borrife-os com vinagre balsâmico.
©

Molho de maçã, marmelo e aipo

Como os marmelos abundam, deixo aqui ainda outra opção para os confeccionar.

Um molho simples de marmelo, maça e aipo, muito saboroso e fresco ao mesmo tempo.
Este molho liga muito bem com carne de porco, pato e já o comi em tempo com carne de veado juntamente com doce de frutos silvestres um prato muito escandinavo!

Para fazer este molho são precisos:

. 1 maçã Bramley ou outra . açúcar 125gr . sumo de 1 laranja . sumo de 1 limão pequeno . aipo um pouco de um tronco (3/4cm) . molho inglês Q.B. . 1 colher de chá de manteiga

Descasca-se e retiram-se os caroços do marmelo e da maçã, cortam-se em pedaços pequenos e finos.

De seguida leva-se o açúcar e sumos dos citrinos ao lume brando numa panela, mexe-se de vez em quando para dissolver bem o açúcar, levanta-se o lume e deixa-se ferver.

Acrescentam-se as frutas e o aipo partidos em pedaços e deixa-se cozinhar por 15-20 minutos ou até ficar tudo muito macio, deixar a tampa posta na panela enquanto coze tudo.
Depois de bem cozida deixa-se arrefecer.

Despeja-se tudo num copo de batidos e tritura-se até obter um creme liso, se o creme parecer um pouco espesso, adicione um pouco de água.

Coloca-se o puré novamente ao lume para que volte a aquecer lentamente e acrescenta-se pouco antes de servir o molho inglês a gosto e uma colher de chá de manteiga.

E é só servir quente como acompanhamento de carnes à vossa escolha, brancas ou vermelhas, enfim ao gosto de cada um.

Aqui por casa até o comem misturado com iogurte simples em jeito de sobremesa, é só acrescentar um pouco de leite condensado. E quando não há marmelo é só com maça, as minhas adaptações!
by me.

cheesecake de banana e caramelo



ingredientes:

cheesecake
200 g bolachas digestiva
225 g mascarpone
75 g acúcar
2 bananas
50 g amêndoas laminadas e torradas
8 folhas de gelatina
70 g manteiga
3 ovos
300 ml de natas

caramelo:
1 pacote de natas
150 g acuçar amarelo
75 g manteiga

preparação:
triture as bolachas e adicione a manteiga amolecida misturando até formar uma massa para construir uma base numa forma previamente untada e forrada com papel vegetal.
bata o mascarpone com 3 gemas de ovo e 2/3 do açúcar até ficar com uma cor clara. Adicione a gelatina previamente dissolvida num pouco de água quente* e incorpore as natas previamente batidas.
noutro recipiente bata as claras com o restante açúcar até ficarem firmes. envolva com uma espátula, delicadamente, no preparado anterior.
corte uma banana às rodelas e forre com elas toda a base de bolacha. verta o preparado sobre esta base e leve ao frigorífico. (1/2 dia, pelo menos)

caramelo
coloque a manteiga com o açúcar numa panela pequena e leve ao lume brando, mexendo sempre até o açucar se dissolver. retire e deixe arrefecer. adicione as natas batendo bem e deixe ferver durante 2 minutos.

coloque banana cortada às rodelas por cima do cheesecake e regue com o caramelo. por fim polvilhe com as amêndoas.

*perdi o trauma da gelatina, finalmente.
o truque:
dissolver a gelatina em água fria, durante 15 min. retira-se da água, sem espremer muito, para ficar sempre com um bocadito de água. levar ao lume brando e mexer com o dedo (eu vi, é
assim!). a gelatina está ok quando o calor começar a incomodar o dedo.

©

Compota de marmelo com sementes de coentros

Mas uma para "Lançar" na cozinha uns marmelos :)

Por cá não existe muito o hábito dos Chutneys de fruta, uma mistura do doce com o vinagre e especiarias que geralmente se conservam por algum tempo em frasco.

Esta compota é o reflexo dessa filosofia muito British, depois de preparada e devidamente condicionada, serve como acompanhamento carnes quentes ou frias e ainda para a elaboração de molhos, conferido-lhe características adocicadas.

São precisos:
. 2 kg de marmelos . açúcar branco Q.B. . vinagre de vinho branco Q.B. . 4 colheres de sopa de sal . Sementes de coentros Q.B.

Colocam-se os marmelos, já descascados, sem caroço e partidos em oitavos numa panela grande com o sal e a água, o suficiente para cobrir, leva-se ao lume até levantar fervura e deixa-se cozer cerca de 10 minutos.
De seguida coam-se os marmelos e mede-se a calda, voltando a despejar na panela.

Assim, para cada 600ml de calda, acrescentam-se 450g de açúcar, e 300ml de vinagre e 1 colher de chá de sementes de coentros.

Leva-se novamente ao lume e juntamente com os marmelos e cozinha mais 25-30 minutos, ou até que as fatias estejam macias.
Deixar arrefecer dentro da panela e reservar um dia.

No dia seguinte, escorre-se a calda para outra panela e leva-se ao lume novamente até levantar fervura e de seguida verter sobre os marmelos.

Colocam-se os pedaços de marmelo cuidadosamente em frascos de compota previamente esterilizados enquanto ainda estão quentes e enche-se com a calda.

Uma outra maneira de preservar este fruto.

Boas compotas!
by me.

Gelado de marmelo e alecrim

Continuando com os marmelos...

Esta é uma receita de gelado que permite duas versões, com polpa de marmelo ou polpa de maça Grammy Smith, assim com uma receita dou dois gelados diferentes.

São precisos:
. 500 gr de marmelos . água . 1 colher de chá de alecrim acabado de picar . 500gr de açúcar . 1 limão . 1 tira da casca de limão . 1 cálice de um licor (se for de marmelo melhor, mas não havendo improvisa-se eu gosto com rum, por exemplo)

Começa-se por preparar os marmelos, lavando-os descascando-os e partindo em pequenos pedaços.
Deita-se tudo num tacho, tapa-se com água, junta-se o alecrim, o açúcar, o licor, o sumo e a casca do limão e deixa-se cozer cerca de 1/4 de hora em lume brando.

Depois de ter arrefecido, tritura-se muito bem num copo de batidos ou mesmo com a varinha mágica e leva-se ao congelador.

Para servir costumo acompanhar com uma compota de frutos silvestres aquecida, a mesma que faço para o cheesecake e umas folhas de alecrim.

et voilá, il fait chaud et il fait froid...
by me.

Crumble de marmelo e passas

A propósito dos marmelos e já que estamos na época deles e para aqueles que têm de sobra deixo uma sobremesa, Crumble de marmelos com a sua crosta doce crocante, é a isso que se resume.

Já deixei nesta cozinha uma receita de Crumble de maça com canela, esta versão é apenas a variante do recheio.

Para esta sobremesa outonal são precisos:

Recheio;
. 6 marmelos (cerca de 1/2 kg de polpa) . 4/6 cravinhos . 100 gr de açúcar amarelo . 3 paus de canela . água para cozer

Cobertura crocante;
. 200 gr de farinha . 120 gr de margarina à temperatura ambiente . 100 gr de açúcar amarelo . canela em pó Q.B

Lavam-se descascam-se e partem-se os marmelos em pedaços levando-os a cozer com a canela e os cravinhos.
A água não precisa de cobrir a fruta por completo, tapando apenas cerca de metade do conteúdo da panela. Leva-se a ferver e de imediato acrescenta-se o açúcar amarelo.

Deixa-se ao lume destapado até evaporar a água, sem deixar queimar ou pegar, ganhando assim algum ponto no açúcar.

Depois de bem escorridos colocam-se os pedaços dos marmelos cozidos, já sem os paus de canela e os cravinhos num pyrex e aí juntam-se as passas a gosto.

Para fazer a cobertura basta apenas ligar todos os ingredientes à mão numa taça, de modo a criar uma mistura esfarelada.

De seguida deita-se o preparado da farinha por cima dos marmelos e leva-se ao forno aquecido até ficar crocante, cerca de 30 minutos em lume médio, 180º.

Serve-se quente com gelado de baunilha ou um creme inglês/custard, no fundo o nosso leite creme!

Para dias frios uma sobremesa rica e quente!
by me.

marmelada



s. f. doce de marmelo cozido e misturado com calda de açúcar; (pop) pechincha; vantagem; confusão; trapalhada.

chegaram ontem duas tigelas de marmelada. a que eu gosto: clara e mole, coberta com o papel vegetal, embebido em aguardente, feita numa panela de cobre e mexida com uma colher de pau. caseirinha, sem corantes nem conservantes. e sem contra indicações da asae. :)
©

Creme de cenoura e laranja

Esta sopa foi-me servida num jantar festivo de inverno.
Por ter um sabor peculiar e ser tão distinta das tradicionais à base de legumes, parece-me sempre indicada para um jantar festa.

Muito simples de preparar, já que a base não passa de um creme de cenoura tradicional ao qual se adiciona o sabor e aroma da laranja.

São precisas para este creme:
. 1/2 cebola média . 1/2 Kg de cenoura . 1 litro de caldo de frango ou água . Sumo de 1 laranja . Casca de 1 laranja . folhas de salva . sal . azeite

Depois de lavadas e descascadas as cenouras partem-se em bocados assim como a cebola.
A laranja espreme-se o sumo e reserva-se a casca.

Numa panela junta-se ao caldo de frango ou o água já quente as cenouras, a cebola picada, o sumo da laranja e deixa-se cozer bem. Tritura-se tudo muito bem com a varinha mágica e volta ao lume baixo para aquecer.

Entretanto vira-se a casca do avesso e raspa-se bem com uma faca retirando toda a parte branca, anulando o sabor amargo da laranja, corta-se a casca em pequenas tiras, bem finas.

Leva-se ao lume um pouco de água numa panela pequena e branqueiam-se as tirinhas da casca de laranja, o que consiste em deixar levantar fervura e cozer cerca 3 minutos, retiram-se as tirinhas e colocam-se sobre a sopa, como decoração juntamente com folhas de salva ou se preferirem coentros picadinhos.

Duas ervas aromáticas que alteram a frescura final desta sopa é fazerem o teste de paladar.
Bom apetite!
by me.

aghunibora



O arroz faz parte de uma grande parte dos pratos que normalmente confecciono.

Existem muitos tipos de grãos, adaptados a imensos tipos de utilização, e este, o aghunibora, para mim, tem tudo para ser o mais importante que jamais apareceu à face do planeta.

É um híbrido entre uma espécie de grande rendimento e o Komal Saul, uma espécie que só existe no nordeste da Índia, de bago mole, mas de muito baixo rendimento, e que não pode ser cultivado em mais lado nenhum, devido ao clima específico ao qual ele está associado.

Agora é possível cultivar esse tipo de grão mole, em “qualquer lado”, e com grande rendimento, o aghunibora.

O porquê deste post, é devido à característica desse tipo de arroz, que se torna comestível, após alguns momentos em água fria.

Mais do que um ingrediente para futuras receitas, um meio simples e prático para ajudar a combater a fome neste nosso mundo!

by lança

Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin